Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Estupro e assassinato de uma comediante causa revolta na Austrália

Tragédia levantou o debate sobre violência contra a mulher e culpabilização da vítima; uma em cada cinco mulheres do país já sofreu agressão

Por Da Redação - Atualizado em 15 jun 2018, 14h48 - Publicado em 15 jun 2018, 11h37

O estupro e assassinato da comediante Eurydice Dixon, de 22 anos, na última quarta-feira (13), causou indignação na Austrália, tanto por causa do crime em si quanto pela maneira com o qual foi tratado pela sociedade.

Eurydice estava no início de sua carreira como comediante na cidade de Melbourne e se apresentava em bares de comédia da cidade. Ela havia acabado de se apresentar em um bar local e estava voltando para a casa, por volta das 22h30 no horário local, quando foi atacada. Um rapaz de 19 anos é o principal suspeito e está preso.

Segundo a imprensa local, Eurydice estava a poucos metros de casa quando foi atacada e havia acabado de enviar uma mensagem a uma amiga avisando que estava chegando a salvo.

A vítima era uma defensora do feminismo e da igualdade de gênero e costumava abordar esses assuntos em seus shows. Seu estupro e assassinato reascenderam o debate no país, onde os índices de violência contra a mulher são relativamente altos. Diversos comediantes e o público estão utilizando as redes sociais para pedir o fim da violência e a não culpabilização da vítima.

Publicidade

“Meu primeiro stand up foi quando eu tinha a mesma idade que Eurydice Dixon. Era sobre estar com medo de andar para casa à noite. Fazer piadas sobre isso era uma maneira de eu me sentir um pouco empoderada, em vez de pequena e assustada. Luto por essa jovem comediante, que tinha o direito de se sentir segura”, escreveu a comediante Alex Lee no Twitter.

Uma orientação da polícia também foi alvo de crítica nas redes sociais. O recado sugeria às pessoas terem ciência do que ocorria em seu entorno e prestar atenção em suas linguagens corporais. A recomendação foi interpretada como forma de culpar a vítima por ter sido atacada.

Publicidade

“Por favor, gente, não a culpem por andar em um parque à noite, como é a posição padrão da nossa sociedade. Culpe o agressor. As mulheres devem ser capazes de andar em segurança em nossas ruas e parques. Descanse em paz Eurídice Dixon”, escreveu Chloe Booker.

O governador de Melbourne, Daniel Andrews, escreveu: “Em poucos dias, mulheres em Melbourne farão uma vigília no Princes Park pela vida de Eurydice Dixon. Elas farão isso com a certeza de que Eurydice morreu por causa das decisões de seu agressor – não pelas suas. Elas estão certas. E precisamos aceitar esse fato também”.

Publicidade

Segundo a polícia, um jovem de 19 anos chamado Jaymes Todd se entregou à polícia na quarta-feira como responsável pelo  estupro e assassinato. Ele se recusou a pagar a fiança e aguarda seu julgamento marcado para 3 de outubro. Na quinta-feira (14), uma corte proibiu a divulgação de imagens do agressor. O argumento de seu advogado é de que a exposição pode coagi-lo e afetar seu depoimento.

A Austrália tem um alto índice de violência contra a mulher, segundo a comissão de direitos humanos do país. De acordo com dados do governo, uma a cada cinco mulheres já sofreram algum tipo de violência e agressão sexual a partir dos 15 anos, contra um a cada 20 homens.

Uma usuária postou uma das últimas apresentações de Eurydice:

Publicidade