Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

‘Estamos avaliando’, diz Bolsonaro sobre convocar embaixador na França

Presidente demonstrou irritação com declaração de Macron: 'Me chamou de mentiroso'

O presidente Jair Bolsonaro afirmou neste sábado, 24, que conversou com o chanceler Ernesto Araújo sobre a possibilidade de chamar o embaixador do Brasil na França ao país. O ato seria um gesto simbólico para demonstrar insatisfação com o governo de Emmanuel Macron, que trocou farpas com Bolsonaro nos últimos dias por causa das queimadas na Amazônia.

“Conversei com o Ernesto, estamos avaliando”, disse o presidente ao deixar o Palácio da Alvorada, em Brasília, para um almoço com o vice-presidente, Hamilton Mourão, no Palácio do Jaburu.

Questionado se iria falar com Macron sobre o assunto, o presidente reagiu e demonstrou irritação com o líder francês: “Depois do que ele falou a meu respeito, você acha que vou falar com ele? Eu estou sendo muito educado, porque ele me chamou de mentiroso”.

Atritos

A rusga entre Macron e o brasileiro começou quando o francês pediu que o tema da Amazônia fosse discutido no encontro do G7. Bolsonaro reagiu e acusou o governante de ter “mentalidade colonialista” e de usar o assunto para “ganhas políticos pessoais”. Macron rebateu dizendo que o brasileiro “mentiu” sobre seus compromissos ambientais e ameaçando o pacto União Europeia-Mercosul caso os incêndios não fossem combatidos.

A cúpula do G7 começa neste sábado e o presidente francês já disse que vai tentar convencer as outras potências a se mobilizarem no combate às queimadas. “A Amazônia é nosso bem comum”, discursou ele.

‘Normalidade’

Também neste sábado, Bolsonaro voltou a minimizar os incêndios. “Está indo para normalidade essa questão”, disse. “A floresta não está pegando fogo como o pessoal está dizendo. O fogo é onde o pessoal desmata.”

O presidente afirmou que o trabalho já começou a ser feito contra focos de incêndio e reclamou da falta de verba. “É difícil ter recurso, tudo contingenciado; é o Brasil que eu peguei. Estamos em busca de fazer o melhor pelo meu país.”

Bolsonaro chegou a dizer na conversa com jornalistas que teria conseguido 40 milhões de reais para ações de combate às queimadas neste momento. Quando informado de que na coletiva de imprensa mais cedo do Ministério da Defesa foi relatado o descontingenciamento de 28 milhões de reais, o presidente afirmou que quem sabe é o ministro da Economia, Paulo Guedes. “Não sei. Ontem se falou em 38 milhões de reais na reunião. Chega na hora, vai ver tem R$ 28, R$ 10, R$ 5, um real”.

Quando questionado se o governo não demorou a agir, o presidente destacou o tamanho da Amazônia para falar da dificuldade das ações. “A Amazônia é uma área maior que a Europa. Se eu tivesse 10 milhões de pessoas, não conseguia fazer a prevenção.”

(Com Estadão Conteúdo)