Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Estados Unidos pedem extradição de Julian Assange

Jornalista preso em Londres é investigado por Washington pelo vazamento de documentos confidenciais sobre as guerras no Afeganistão e Iraque

Por Da Redação Atualizado em 11 abr 2019, 13h21 - Publicado em 11 abr 2019, 10h05

Os Estados Unidos pediram a extradição de Julian Assange, informou a polícia britânica, após a prisão do fundador do Wikileaks na embaixada do Equador em Londres na manhã desta quinta-feira, 11.

“O fundador do Wikileaks está detido em nome das autoridades dos Estados Unidos e em virtude da Seção 73 da Lei de Extradição. (Ele) está em custódia policial e vai depor à Corte de Magistrados de Westminster (Londres) o mais rápido possível”, afirmou um porta-voz da polícia.

Assange refugiou-se na embaixada do Equador em Londres há quase sete anos, para escapar da extradição para a Suécia, onde era investigado por crimes sexuais. Essa investigação foi mais tarde suspensa, mas o fundador da Wikileaks permaneceu recluso na embaixada por temer ser extraditado para os Estados Unidos.

Assange é investigado pelas autoridades americanas pela divulgação de centenas de milhares de documentos confidenciais em 2010 e pelo seu papel na divulgação de e-mails do Partido Democrata nas eleições de 2016.

O jornalista australiano foi preso nesta quinta após o governo do Equador retirar seu asilo diplomático. Ele foi levado sob custódia para uma delegacia central de Londres e será encaminhado para o Tribunal de Magistrados de Westminster, segundo as autoridades.

O relacionamento de Assange com o Equador entrou em colapso depois que Quito o acusou de vazar informações sobre a vida pessoal do presidente Lenín Moreno.

O líder equatoriano divulgou um vídeo em que explica que o asilo ao jornalista se tornou “insustentável” por causa do “comportamento agressivo” do australiano em relação ao Equador e por suas “violações” de acordos internacionais.

Continua após a publicidade

Moreno afirmou que pediu ao Reino Unido que garantisse que Assange não será extraditado para um país onde possa enfrentar tortura ou a pena de morte. “O governo britânico confirmou isso por escrito, de acordo com suas próprias regras”, disse.

Histórico

O pedido de asilo de Assange ao Equador aconteceu após o fim de um longo processo de extradição para a Suécia nos tribunais britânicos. Como a Grã-Bretanha se negava a dar salvo-conduto para que ele deixasse a embaixada e seguisse para o Equador, Assange seguia morando no local, em um impasse que já durava mais de seis anos.

O processo por abusos sexuais foi encerrado, mas o ativista permaneceu recluso na embaixada por temer uma investigação dos Estados Unidos.

No ano de 2010, o Wikileaks divulgou mais de 90.000 documentos confidenciais relacionados a ações militares de Washington no Afeganistão e cerca de 400.000 documentos secretos sobre a guerra no Iraque, em um dos maiores vazamentos de dados secretos da história.

Parte do material foi entregue ao Wikileaks pela soldado Chelsea Manning — na época Bradley Mannning. Ela foi presa e condenada em 2013 nos Estados Unidos a 35 anos de prisão por violação da Lei de Espionagem.

Manning passou sete anos na cadeia, até ser indultada em 2017 pelo então presidente Barack Obama.

Recentemente, Assange passou a ser criticado por democratas nos Estados Unidos por supostamente beneficiar a Rússia com vazamentos de material confidencial. Em 2016, ele divulgou e-mails da campanha da então candidata à Presidência Hillary Clinton obtidos quando hackers russos invadiram os computadores do Comitê Nacional Democrata.

(Com Reuters)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)