Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Estados Unidos fornecerão armas para milícia curda na Síria

Contra a vontade da Turquia, Donald Trump autorizou o envio de equipamentos pesados para combater Estado Islâmico

Por Da redação 9 Maio 2017, 18h10

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, autorizou o envio de armas pesadas para milícias curdas que lutam contra o grupo terrorista Estado Islâmico na Síria, informou nesta terça-feira o porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer.

“Ontem, o presidente autorizou o Departamento de Defesa a fornecer aos curdos das Forças da Síria Democrática (FSD) o que for necessário para garantir uma vitória em Raqqa“, disse Spicer.

A decisão de Trump tem como objetivo apoiar as operações da milícia conhecida como Unidade de Proteção do Povo (YPG), que faz parte da FSD, para reconquistar o controle da cidade de Raqqa, principal reduto do Estado Islâmico, no norte da Síria.

O envio de armas pesadas à milícia ignora a posição do governo da Turquia, que considera a milícia como uma extensão da organização terrorista curda que opera no país. No entanto, os Estados Unidos têm os curdos como o parceiro de combate mais eficaz contra os jihadistas na região.

Perguntado se Trump tinha informado o presidente da Turquia, Recep Erdogan, sobre a nova postura da Casa Branca, Spicer disse desconhecer qualquer diálogo entre os líderes.”Conhecemos as preocupações de nossos aliados da coligação na Turquia, e queremos reforçar ao governo turco de que os Estados Unidos estão comprometidos em proteger seu aliado na Otan“, disse Spicer.

Continua após a publicidade

Erdogan visitará Trump em Washington na próxima semana. Um dos principais conselheiros do presidente turco, Ibrahim Kalin, se reuniu com o subsecretário de Estado americano, Thomas Shannon, hoje.

O diretor-adjunto para a Síria e o Líbano do Ministério das Relações Exteriores da Turquia, Mustafa Yurdaku, afirmou na semana passada que o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), filiado a YPG, é tão terrorista quanto o Estado Islâmico. Por isso, o país é contrário a qualquer tipo de apoio à milícia curdo-síria.

O secretário de Defesa dos Estados Unidos, Jim Mattis, indicou que conversou com a Turquia para diminuir as tensões sobre uma aliança americana com os curdo-sírios na luta contra os jihadistas.

“Vamos solucionar isso”, garantiu Mattis.

(com EFE)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês