Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Estado Islâmico treinou mais de 400 terroristas para ataques na Europa

Os terroristas são treinados para estratégias de campo de batalha, técnicas de vigilância e contra-vigilância e uso de explosivos

Por Da Redação - 23 mar 2016, 19h00

O Estado Islâmico (EI) treinou pelo menos 400 terroristas para promover uma série de atentados terroristas na Europa, implantando células terroristas como a que planejou e executou os ataques em Bruxelas e em Paris, revelou a agência de notícias Associated Press. Essa rede de células terroristas significaria um avanço desse grupo terrorista, que vem perdendo território no Iraque e na Síria.

Leia também:

Mundialista: Corra que a polícia não vem aí

Fontes que incluem oficiais da inteligência europeia e iraquiana e um procurador francês que acompanha as redes jihadistas relataram a AP que os terroristas são treinados em campos na Síria, no Iraque e possivelmente no antigo bloco soviético. Os combatentes dessas unidades aprendem estratégias de campo de batalha, uso de explosivos e técnicas de vigilância e contra-vigilância.

Publicidade

Leia também:

A história da foto que marcou os atentados de Bruxelas

Turquia deteve e deportou um dos autores dos atentados de Bruxelas

Estado Islâmico assume autoria dos atentados terroristas em Bruxelas

Publicidade

As unidades parecem ser lideradas por pessoas fluentes no francês, com ligações com o norte da África, França e Bélgica, que são responsáveis por desenvolver estratégias para ataques na Europa. “A realidade é que se soubéssemos exatamente quantas redes havia, isto não estaria acontecendo”, afirmou a senadora francesa Nathalie Goulet, co-diretora de uma comissão que rastreia redes jihadistas.

Quando assumiu a autoria dos ataques de Bruxelas, o Estado Islâmico afirmou que “uma célula secreta de soldados” tinha sido enviada para a Bélgica para a ação. Antes de ser morto em uma operação da polícia após os atentados de Paris, o líder dos ataques coordenados contra a capital francesa, Abdelhamid Abaaoud, também afirmou ter entrado na Europa com um grupo multinacional de mais de 90 terroristas do EI, que estariam espalhados por toda a parte.

(Da redação)

Publicidade