Clique e assine com até 92% de desconto

Estado Islâmico recrutou 1.800 menores na Síria em 2015; 350 morreram

Ao menos 48 "filhotes do califado" promoveram atentados suicidas com coletes de explosivos ou usando carros-bomba

Por Da Redação 15 jan 2016, 18h36

O grupo terrorista Estado Islâmico (EI) recrutou cerca de 1.800 menores de idade na Síria ao longo do ano passado, dos quais 350 morreram, informou nesta sexta-feira o Observatório Sírio de Direitos Humanos. Dos 350 mortos, ao menos 48 promoveram atentados suicidas com coletes de explosivos ou usando carros-bomba.

Segundo o Observatório, os jihadistas recrutam os menores através de escritórios especiais abertos nos territórios controlados no país. Depois de registradas, as crianças e adolescentes são submetidos a treinamento e enviados ao campo de batalha. De acordo com a ONG, o último grupo de “filhotes do califado”, como os terroristas chamam os menores recrutados, entrou em combate neste mês.

Leia mais:

Atentado do EI deixa ao menos 7 mortos na capital da Indonésia

Atentado do EI em bairro turístico de Istambul deixa dez mortos

Bombardeio destrói depósito de dinheiro do Estado Islâmico em Mossul

Esse novo batalhão seria composto por 175 menores. Alguns teriam sido enviados à frente de batalha na província de Al Raqqa, no nordeste da Síria, onde os radicais enfrentam as Forças da Síria Democrática (FSA), uma coalizão armada curdo-árabe que recebe o apoio dos Estados Unidos.

Outros foram levados à província de Aleppo, no noroeste do país, onde o EI luta contra a FSA perto do rio Eufrates. Além disso, os radicais ainda enfrentam forças do regime sírio e outras organizações rebeldes no norte dessa região. O grupo extremista também enviou menores de idade às zonas dominadas no Iraque. O Observatório explicou que, desse último grupo promovido a “filhotes do califado”, pelo menos três morreram no Iraque.

(Com agência EFE)

Continua após a publicidade
Publicidade