Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Estado Islâmico é o principal suspeito do atentado na Turquia, diz premiê

Os atentados de Ancara foram muito semelhantes ao ataque em Suruç, em julho. O método e os explosivos usados nas duas ações foram os mesmos

Por Da Redação 12 out 2015, 07h49

O primeiro-ministro da Turquia, Ahmet Davutoglu, informou nesta segunda-feira que o grupo terrorista Estado Islâmico (EI) é o principal suspeito de estar por trás do atentado que no sábado matou pelo menos 97 pessoas e feriu centenas em Ancara. O primeiro-ministro advertiu que a investigação tinha que ser feita com cautela porque as “células dormentes” da rede “poderiam se esconder; poderiam tirar a barba e mudar o modo de vida”.

Davutoglu acrescentou que nos dias anteriores ao atentado de Ancara, a polícia tinha detido dois potenciais agressores suicidas, um em Istambul e outro na própria capital, mas não esclareceu se eles pertenciam ao EI ou a outras organizações jihadistas. Todas as pistas do atentado realizado neste sábado levam a grupos jihadistas na Turquia. O atentado foi cometido por dois homens que se explodiram no meio de uma multidão reunida para dar início a uma manifestação pela paz no país.

Leia também

Milhares se manifestam na capital Ancara contra atentados na Turquia

Duplo atentado em manifestação pela paz na Turquia deixa mais de 90 mortos

Vários analistas destacaram a enorme semelhança deste atentado com o ocorrido em Suruç, em 20 de julho, no qual 33 estudantes e ativistas morreram. Naquela ocasião, um jovem turco, que tinha passado por campos de treinamento do Estado Islâmico (EI) na Síria, ateou fogo ao próprio corpo com uma carga de TNT reforçada e bolas de aço para aumentar o efeito do impacto, exatamente igual ao que aconteceu na capital turca.

A polícia inclusive já conseguiu determinar que o explosivo usado no sábado é do mesmo tipo, revelou hoje a emissora CNN. Além disso, segundo o jornal Cumhuriyet, pouco antes da explosão o público ouviu alguém gritar “Deus é grande”, da mesma forma que aconteceu em Suruç, uma frase pouco comum entre um público laico que estava reunido para a marcha pacifista.

(Da redação)

Continua após a publicidade
Publicidade