Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Estado Islâmico ataca antiga capital assíria e Iraque pede ajuda

Governo iraquiano informou que os jihadistas destruíram partes da cidade de Khorsabad, famosa por suas colossais estátuas de touros alados com cabeças humanas

Por Da Redação - Atualizado em 10 dez 2018, 09h47 - Publicado em 11 mar 2015, 23h05

Mais uma antiga capital assíria foi atacada pelo grupo terrorista Estado Islâmico. O governo iraquiano informou nesta quarta-feira que os jihadistas destruíram partes da cidade de Khorsabad, de 2.700 anos e famosa por suas colossais estátuas de touros alados com cabeças humanas.

As autoridades iraquianas disseram estar examinando há vários dias os relatos sobre os danos em Khorsabad. “As muralhas da cidade foram destroçadas e alguns elementos dos templos, mas não sabemos a extensão exata (dos danos)”, disse o diretor de antiguidades, Qais Rasheed, à agência Reuters.

A destruição ocorre depois de ataques a relíquias em Níneve, Nimrud e Hatra. O Estado Islâmico avança em partes do Iraque e da Síria onde estão alguns dos mais valiosos tesouros arqueológicos da humanidade. O grupo tem destruído sistematicamente templos históricos, santuários e estátuas com manuscritos. Também tem vendido relíquias para financiar o terror.

O Iraque pediu à coalizão liderada pelos Estados Unidos que use seu poder aéreo para defender a herança cultural do país.

Publicidade

Leia mais:

Vídeo do EI mostra menino matando homem acusado de ser espião

Iraque: ‘Só ataque aéreo pode parar a destruição de antiguidades’

Estado Islâmico destrói estátuas milenares em museu do Iraque

Publicidade

Ofensiva – Em terra, as forças iraquianas conseguiram entrar nesta quarta-feira em um bairro de Tikrit, terra natal do ditador Saddam Hussein e que foi dominada pelos jihadistas no ano passado. A ofensiva iraquiana para recuperar o território foi lançada há dez dias.

“Pudemos controlar o hospital militar de Tikrit, próximo ao centro da cidade. Mas estamos travando uma batalha muito delicada porque não estamos enfrentando combatentes em terra, e sim em um terreno cheio de armadilhas e franco-atiradores. Nossos movimentos são lentos”, disse um oficial à agência France-Presse

Vídeo: Mundo Livre – Tesouro em perigo no Oriente Médio

https://www.youtube.com/watch?v=ehern8CT7jQ

Publicidade

(Da redação)

Publicidade