Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Esquerda radical perde para extrema direita nas legislativas da França

Por Philippe Huguen 10 jun 2012, 17h24

O líder da esquerda radical francesa, Jean-Luc Mélenchon, perdeu a disputa para a dirigente ultradireitista Marine Le Pen, que liderou os resultados em sua circunscrição de Hénin-Beaumont (norte), neste domingo, no primeiro turno das eleições legislativas da França.

Mélenchon, que enfrentou Marine Le Pen em Henin-Beaumont, admitiu a derrota em um discurso. Ele ficou em terceiro lugar e por isso, no segundo turno previsto para 17 de junho, não disputará a cadeira em jogo, que será decidida entre a candidata da extrema direita e o candidato socialista Philippe Kemel.

“É normal que esteja decepcionado, mas não podemos deixar nos abater”, disse Mélenchon, ex-socialista.

O líder da Frente de Esquerda, uma coalizão cuja principal componente era o Partido Comunista, foi o quarto candidato mais votado no primeiro turno das eleições presidenciais, em 22 de abril.

Já Marine Le Pen declarou que seu partido, a Frente Nacional, confirmou sua “posição de terceira força” do país e exortou uma “recomposição” da direita, após o bom resultado obtido no primeiro turno das legislativas.

Continua após a publicidade

“A recomposição que desejamos está em andamento”, disse Le Pen, que se mostrou confiante em que seu partido volte a ter deputados na Câmara Baixa do Parlamento, após 24 anos de ausência.

“Peço a todos os eleitores que querem uma oposição autêntica aos socialistas que se mobilizem no próximo domingo”, data do segundo turno das legislativas, disse Le Pen em Henin-Beaumont.

“O povo entrará na Assembleia” Nacional, acrescentou Marine Le Pen.

Segundo estimativas divulgadas no fechamento das seções eleitorais, a Frente Nacional de Marine Le Pen obteve mais de 13% dos votos, sendo a terceira força mais votada.

“Saímos deste primeiro turno em uma posição vitoriosa, com uma dinâmica extraordinária; acho que temos a capacidade de vencer”, acrescentou.

“Levando em conta a abstenção (em torno de 40%) e um modo de escrutínio profundamente antidemocrático que há 25 anos privou de deputados milhões de eleitores, esta noite confirmamos nossa posição de terceira força política da França”, acrescentou.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)