Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Espanha receberá navio com 629 imigrantes após Itália negar acolhida

Navio virou impasse entre Itália e Malta, que se negam a acolher os imigrantes à deriva desde sábado

A Espanha aceitou acolher os 629 refugiados de um navio está parado no Mar Mediterrâneo desde sábado (9), a espera de autorização para desembarcar em portos italianos ou malteses. A responsabilidade pela acolhida virou motivo de impasse entre Itália e Malta, obrigando os imigrantes resgatados a enfrentarem situações complicadas na embarcação.

Os imigrantes – entre eles 123 menores de idade não acompanhados, onze crianças pequenas e sete mulheres grávidas – foram resgatados na costa da Líbia pelo governo italiano em seis diferentes operações de resgate e reunidos no navio Aquarius. O destino desses imigrantes, então, virou um impasse entre Itália e Malta.

O governo italiano acusa os países europeus de não oferecerem ajuda nesses casos, transformando a Itália – principal porta de entrada de migrantes na Europa – em um campo de refugiados. No domingo, após resgatar cerca de 200 imigrantes, a Itália anunciou que não autorizaria o desembarque dos outros 600 e atribuiu esta responsabilidade ao governo de Malta, já que o navio estava mais próximo de sua costa.

“Salvar vidas no mar é um dever, mas transformar a Itália em um gigantesco campo de refugiados não é”, disse o ministro de Interior da Itália, Matteo Salvini, no Facebook nesta segunda-feira. “A Itália não irá mais abaixar a cabeça e obedecer. Desta vez há alguém dizendo não”.

“No Mediterrâneo existem embarcações com bandeiras de Holanda, Espanha, Gibraltar e Grã-Bretanha. Há ONGs alemãs, espanholas, e Malta não acolhe ninguém, a França os rejeita na fronteira, e a Espanha defende suas fronteiras com armas, ou seja, toda a Europa está preocupada com seus interesses”, disse Salvini, que lidera também o partido de extrema-direita Liga, a antiga Liga Norte.

De acordo com a imprensa italiana, Salvini, enviou uma carta urgente às autoridades maltesas na qual explicou que o navio Aquarius da SOS Méditerranée, com funcionários da ONG Médicos Sem Fronteiras (MSF), estava a 43 milhas de Malta. Por isso, este país tinha a obrigação de receber os passageiros.

O Ministério do Interior de Malta afirmou que não é de sua competência a situação do navio, já que o resgate aconteceu em uma zona marítima coordenada pela Itália. “O resgate do navio Aquarius aconteceu na Zona Líbia de Busca e Resgate e foi coordenado pelo Centro de Coordenação de Resgate (RCC, na sigla em inglês) em Roma”, diz a nota do Ministério de Interior e Segurança Nacional de Malta. “O RCC de Malta não é competente neste caso, nem coordenador”, acrescentou o governo da ilha.

Após a agência para refugiados das Nações Unidas (Acnur) e a União Europeia exigirem o fim do impasse entre as duas nações, o novo primeiro-ministro da Espanha, o socialista Pedro Sánchez, afirmou nesta segunda-feira (11) que irá receber o navio para evitar uma catástrofe humanitária. “É a nossa obrigação ajudar a evitar uma catástrofe humanitária e oferecer ‘um porto seguro’ a estas pessoas, cumprindo desta maneira com as obrigações do Direito Internacional”, afirma o comunicado.

A situação no interior do navio já começa a se agravar. Em entrevista à Agência EFE, o americano David Beversluis, um dos médicos de Médicos Sem Fronteiras (MSF) que estão a bordo do Aquarius, alertou que não têm “suficiente comida” para os 629 imigrantes que estão a bordo e que a água e os alimentos são suficientes apenas para hoje.

(Com agências internacionais)