Clique e assine com até 92% de desconto

Espanha prende dois menores que planejavam se juntar ao Estado Islâmico

Além dos dois irmãos e menores de 16 anos, foram presas outras duas pessoas ligadas ao jihadismo. Mãe dos jovens sabia da radicalização dos filhos e nada fez para impedir

Por Da Redação Atualizado em 30 jul 2020, 21h36 - Publicado em 31 mar 2015, 08h09

Dois adolescentes foram presos nesta terça-feira no nordeste da Espanha na manhã em que pretendiam viajar à Síria para lutar ao lado de jihadistas do Estado Islâmico (EI), informou o Ministério do Interior espanhol. A polícia deteve os dois, ambos com menos de 16 anos, e outros dois suspeitos em uma operação de recrutamento de jovens na cidade mediterrânea de Badalona, a cerca de 11 quilômetros de Barcelona.

“Um irmão dos menores já havia viajado para a Síria, recrutado por grupos jihadistas, morrendo em 2014, e acredita-se que tenha feito parte de fileiras terroristas apoiando o Estado Islâmico”, disse o ministério em comunicado. Os jovens detidos, que não tiveram suas identidades reveladas, já estavam sendo investigados por estarem imersos em processo de radicalização.

Leia também

Líderes árabes aprovam formação de força militar conjunta

EUA lançam ataques aéreos para apoiar forças iraquianas contra o EI em Tikrit

Estado Islâmico lista cem militares americanos a serem executados

Segundo o ministério, os adolescentes abandonaram a escola em Badalona e começaram a estudar em um centro islâmico no Marrocos. Eles viajariam nesta terça de manhã via Marrocos para a Turquia, e de lá iriam para a Síria. Um fato que chamou a atenção das autoridades é que a mãe e outras pessoas próximas dos adolescentes tinham conhecimento dos planos dos jovens e nada fizeram para impedi-los.

Desde os ataques ao semanário satírico francês Charlie Hebdo, em Paris, em janeiro, a Espanha ampliou os esforços para impedir recrutadores de grupos militantes de buscar jovens muçulmanos no país. O governo estima que pelo menos 80 cidadãos espanhóis se uniram ao EI e a outros grupos radicais que atuam na Síria e no Iraque.

(Da redação)

Continua após a publicidade
Publicidade