Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Espanha busca nas urnas a guinada para se livrar da crise

José Luis Rodríguez Zapatero teve de antecipar o pleito e, após oito anos, está prestes a ver seu partido amargar uma derrota histórica para os conservadores

Por Da Redação 19 nov 2011, 19h26

Neste domingo, 36 milhões de espanhóis vão às urnas eleger seu novo primeiro-ministro. Após oito anos como chefe de governo, José Luis Rodríguez Zapatero, sai pela porta dos fundos, com popularidade pífia e a pecha de ter levado a Espanha à beira do abismo, em meio à crise econômica na qual está atolada a zona do euro. Depois de se ver obrigado a dissolver o Parlamento, em setembro passado, e antecipar as eleições em quatro meses, o atual premiê terá de encarar uma derrota histórica no pleito, no qual também serão escolhidos os 350 membros da Câmara dos Deputados e os 208 do Senado. Se as pesquisas eleitorais estiverem corretas – e tudo indica que estão – o governista Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE) vai amargar o pior resultado desde que foi fundado, em 1879, passando o poder ao conservador Partido Popular (PP), representado pelo ex-ministro Mariano Rajoy.

O levantamento mais recente do Instituto Metroscopia, publicado pelo jornal El País, prevê uma vantagem de 14,5% para o PP, que deve ficar com 45,4% dos votos, contra 30,9% do PSOE. Já a pesquisa feita pelo Instituto Sigma Dos, divulgada pelo periódico El Mundo, aponta uma diferença ainda maior, de quase 18%, entre as duas legendas: 47,6% dos votos ficariam com os conservadores, e 29,8%, com os socialistas. Nesse cenário, o PP conquistaria entre 184 e 194 cadeiras na Câmara dos Deputados (onde a maioria absoluta é de 176), enquanto o PSOE perderia 57 das vagas que ostenta atualmente, chegando a no máximo 112 parlamentares. E essa guinada à direita que os eleitores espanhóis estão ensaiando fez com que o candidato governista, Alfredo Pérez Rubalcaba, endurece seu discurso, tornando mais agressivo o tom do debate com Rajoy – algo raro na Espanha, segundo analistas.

No infográfico abaixo, os desafios que o novo premiê espanhol terá de enfrentar:

Discursos – Em seus comícios, sempre de olho nos eleitores indecisos, Rubalcaba diz que o país vive um “caso de urgência” e, por isso, as eleições deste domingo são as mais importantes desde 1977. “A indiferença não constrói nada”, destacou. Enquanto isso, Rajoy, seu principal rival e grande favorito, enfrentou a reta final da campanha de uma perspectiva muito diferente – e confortável. Político normalmente discreto, o conservador deu pulinhos de alegria em um comício no domingo passado e declarou publicamente que acredita na vitória. Quem quer que seja o novo premiê espanhol, sua festa termina imediatamente após a eleição, porque o cenário que ele terá pela frente não é nada fácil: o país tem 5 milhões de desempregados, que representam mais de 21% de sua força de trabalho; registrou crescimento econômico nulo no terceiro semestre, em comparação ao período anterior; e deve fechar o ano com um Produto Interno Bruto (PIB) por volta de 0,8%, muito aquém da meta de 1,3%.

Confira os principais candidatos a primeiro-ministro espanhol:

Espanha: Mariano Rajoy é candidato do PP
Espanha: Mariano Rajoy é candidato do PP VEJA

Mariano Rajoy (PP)

É o grande favorito nas pesquisas de opinião, mas lhe falta carisma. Aliados dizem que o candidato de 56 anos é conservador e pragmático, com “nervos de aço” . Já foi ministro de cultura, educação, interior e vice-premiê.

Espanha: Alfredo Perez Rubalcaba é candidato do Psoe
Espanha: Alfredo Perez Rubalcaba é candidato do Psoe VEJA
Continua após a publicidade

Alfredo Pérez Rubalcaba (PSOE)

Foi escolhido pelo PSOE após a desistência de José Luis Rodríguez Zapatero, de quem foi o vice-premiê. Também ocupou a chefia dos ministérios do Interior e da Educação e o cargo de porta-voz do Executivo.

Espanha: Cayo Lara é candidato do IU
Espanha: Cayo Lara é candidato do IU VEJA

Cayo Lara (IU)

Entrou para a política em 1982 como diretor do sindicato dos agricultores e ainda se denomina agricultor. Anticapitalista, promete revolucionar o país com seu “Plano Obama”, que propõe a criação de 3 milhões de empregos até 2015.

Espanha: Rosa Díez é candidata do UPyD
Espanha: Rosa Díez é candidata do UPyD VEJA

Rosa Díez (UPyD)

Filha de um socialista preso na ditadura, entrou para a política em 1977. Foi deputada federal, parlamentar, conselheira de Turismo do Governo Basco e eurodeputada. Em 2008, foi a primeira mulher a disputar o cargo de premiê.

Espanha: Juan Lopez de Uralde é candidato do Equo
Espanha: Juan Lopez de Uralde é candidato do Equo VEJA

Juan Lopez de Uralde (Equo)

O ex-diretor do Greenpeace da Espanha tem a ambição de incorporar politicamente as reivindicações do movimento dos “Indignados”. Mas o recém-formado partido está mais interessado em um lugar no Parlamento.

Continua após a publicidade

Publicidade