Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Escritor e ativista chinês Chen Wei é condenado a 9 anos de prisão

Pequim, 23 dez (EFE).- O escritor e veterano ativista pró- democrático chinês Chen Wei foi condenado nesta sexta-feira pelo Tribunal Popular Intermediário de Suining, em Sichuan, a nove anos de prisão por induzir revoltas contra o Estado, informaram seus advogados.

Em uma conversa telefônica com a Agência Efe, um dos advogados do escritor de 42 anos, Liang Xiaojun, disse que Chen não recorrerá da sentença, uma das mais severas deste ano por uma acusação relacionada à ‘Revolução de Jasmim’, uma tentativa de reproduzir a ‘Primavera Árabe’, que foi reprimida por Pequim.

A pena é similar a de outros presos políticos na China, como o Nobel da Paz Liu Xiaobo, condenado a 11 anos em 2009 e com o qual Chen colaborava frequentemente.

De acordo com Liang, os advogados não tiveram oportunidade de se reunir com Chen, e consideraram que a sentença, após uma audiência de duas horas e meia, já estava planejada.

O tribunal não permitiu que Chen Wei desse nenhuma declaração ao ler a sentença e foi levado para fora da sala pelos guardas de segurança enquanto gritava: ‘Não sou culpado, a democracia constitucional ganhará, a ditadura será vencida’.

‘Chen é inocente’, indicou Liang, que considerou a sentença como um castigo contra a liberdade de expressão contida na Constituição chinesa.

O escritor e ativista criticou em artigos publicados na internet alguns aspectos da sociedade chinesa e explicou seu conceito de democracia, mas ‘não tinha nenhuma intenção de transgredir o poder contra o Estado’, acrescentou o advogado.

A condenação se baseou na linguagem de quatro ensaios publicados entre março de 2009 e janeiro de 2011. Nos textos, considerados difamatórios, Chen se refere à ‘privação do pensamento e de crenças que o povo sofre’ e ‘à violência que o Partido Comunista usa para controlar o povo’.

Cerca de 200 veículos policiais bloquearam o acesso ao tribunal de Sichuan e os soldados prenderam dois dos ativistas que estavam na porta para apoiar o ativista, Duan Qixian e Zhang Wei, segundo a ONG Chinese Human Rights Defenders.

‘Essa pena contra um ativista pela Revolução de Jasmim mostra que o governo chinês ainda está nervoso’, afirmou Wang Songlian, investigadora da CHRD em comunicado. EFE