Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Erdogan quer trocar Gülen por pastor americano preso na Turquia

O clérigo turco Fetullah Gülen é acusado de liderar a tentativa de golpe militar de 2016

Por Da redação Atualizado em 28 set 2017, 17h40 - Publicado em 28 set 2017, 17h25

O presidente turco Recep Tayyip Erdogan propôs nesta quinta-feira a Washington uma troca envolvendo o clérigo islamita turco Fetullah Gülen, que reside nos Estados Unidos e a quem Ancara acusa de ser o responsável pelo fracassado golpe militar de 2016, por um pastor americano preso na Turquia há quase um ano.

“Entregamos a vocês todos os documentos necessários” para a extradição de Gülen, declarou Erdogan em um discurso na Academia da Polícia em Ancara, dirigindo-se aos Estados Unidos. A imprensa local assegura que o presidente americano Donald Trump pediu a liberdade do pastor Andrew Brunson, detido em outubro de 2016, durante uma reunião com o líder turco no dia 21 em Nova York.

“‘Devolvam-nos o pastor’, dizem eles. Vocês também têm um pastor. Entreguem-no (Gülen) a nós”, disse Erdogan. “Depois o julgaremos (Brunson) e daremos a vocês”, afirmou. “O (pastor) que temos está em julgamento. O outro não, está morando na Pensilvânia. Vocês podem entregá-lo facilmente. Vocês podem entregá-lo já.”

Ancara já pediu em reiteradas ocasiões a extradição de Gülen, ex-aliado de Erdogan a cujos apoiadores se atribui a tentativa de depor o governo do presidente em julho de 2016. O clérigo nega qualquer papel no golpe malfadado, no qual 250 pessoas morreram. Sua rede de seguidores é tratada pelo governo turco como uma organização terrorista.

Milhares de pessoas foram detidas na repressão desencadeada após a tentativa de golpe, incluindo o missionário cristão norte-americano Andrew Brunson, responsável por uma pequena igreja em Izmir, no litoral oeste turco. Foi preso em 7 de outubro de 2016 sob a acusação de “ser uma ameaça à segurança nacional” e mais adiante, enquanto esperava sua expulsão, foi acusado também de ter vínculos com Gülen, sendo enviado à prisão preventiva.

(Com EFE e Reuters)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)