Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Equipes buscavam avião desaparecido no lugar errado

Órgão australiano responsável pela operação de resgate admitiu que os sinais usados para delimitar área de buscas não eram da caixa-preta do voo MH370

O mistério envolvendo o avião desaparecido da Malaysia Airlines não para de ser alimentado com informações desanimadoras. Nesta quinta-feira, autoridades australianas descartaram oficialmente que a aeronave esteja na área onde as buscas estavam sendo realizadas. A Agência de Segurança de Transporte da Austrália (ATSB), responsável por coordenar a operação, revelou que os sinais usados para delimitar a região de buscas não pertenciam à caixa-preta do voo MH370. Os ‘pings’, como são chamadas as frequências sonoras, haviam sido identificados em uma área de 850 quilômetros quadrados a 2.500 quilômetros de distância da costa da cidade australiana de Perth. Com isso, as equipes de resgate voltaram à estaca zero.

Leia também:

Dados indicam que avião pode ter caído depois de ficar sem combustível

Diretor indiano defende filme sobre avião desaparecido

Áudio da cabine de comando do voo MH370 é apresentado aos familiares

O chefe da ATSB, Martin Dolan, declarou que sua equipe levará de duas a três semanas para reavaliar os dados de satélite obtidos até o momento. “Não sabemos o que eram esses pings. Ainda estamos analisando estes sinais para entendê-los melhor”, destacou. Dolan, no entanto, disse estar “confiante” de que o avião realmente caiu no Oceano Índico.

Após detectar os sinais sonoros nos dias 5 e 8 de abril, a Austrália enviou embarcações para intensificar a procura pelo MH370. “Concentramos as buscas nesta área porque os pings eram a melhor informação que tínhamos recebido e também eram a melhor informação disponível até aqui. Em circunstâncias como essas, o melhor que você pode fazer é seguir as melhores pistas”, justificou o vice-primeiro-ministro da Austrália, Warren Truss, em entrevista à rede CNN.

Leia mais:

Busca por avião desaparecido poderá levar anos, diz autoridade dos EUA

China reclama – Depois do anúncio da ATSB, o primeiro-ministro chinês Li Keqiang exigiu que a Malásia estabeleça um plano alternativo de buscas. Das 239 pessoas a bordo da aeronave que ia de Kuala Lumpur a Pequim, 154 eram chinesas. “Nós esperamos que a Malásia adote o papel de líder e coordenadora, apresente um novo plano de busca pelo avião nos próximos dias e tome a dianteira da investigação com seriedade”, afirmou o premiê chinês, segundo a agência estatal Xinhua.

Na terça-feira, o governo malaio e a empresa britânica Inmarsat, que registrou os últimos sinais enviados pelo avião via satélite, divulgaram pela primeira vez os dados que levaram as buscas pelo MH370 à remota região do Oceano Índico.

(Com agência Reuters)