Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Envolvido em corrupção, presidente da Suprema Corte peruana renuncia

Congresso do país decide na sexta-feira se aceita a renúncia coletiva dos integrantes do Conselho Nacional da Magistratura

Por Da Redação Atualizado em 19 jul 2018, 17h43 - Publicado em 19 jul 2018, 17h02

Envolvido em um escândalo de negociação de sentenças, o presidente da Suprema Corte do Peru, Duberlí Rodríguez, apresentou a sua “renúncia irrevogável” ao cargo nesta quinta-feira (19). Minutos antes, o presidente do Conselho Nacional da Magistratura (CNM), Orlando Velásquez, também desligara-se de seu cargo por causa do escândalo de corrupção.

Outros dois integrantes do CNM também renunciaram – os conselheiros Guido Aguila e Julho Gutiérrez. Um terceiro,  Iván Noguera, é investigado no Parlamento. Um ministro da Corte Suprema, César Hinostroza, foi suspenso depois de ter oferecido a absolvição de um estuprador de menores.

Essas demissões foram o ponto culminante de uma crise no Judiciário peruano causada pela divulgação, na semana passada, de uma série de escutas telefônicas de conversas entre essas autoridades, empresários e políticos que denotam a existência de uma rede de tráfico de influência, suborno e prevaricação.

Os casos de corrupção nos três poderes do país provocaram grande rejeição da população, que convocou para esta quinta um protesto em Lima.

Protagonista de um dos áudios, o ministro de Justiça e Direitos Humanos, Salvador Heresi, pediu demissão, assim como cinco juízes da Corte Superior de Justiça de Callao. Entre eles, o presidente desse tribunal, Walter Ríos, que pedira um suborno de pelo menos 10.000 dólares em troca da nomeação de um promotor.

Continua após a publicidade

O CNM havia suspendido o chefe do Escritório Nacional de Processos Eleitorais (ONPE), Adolfo Castillo, por supostas irregularidades na inscrição de um partido para as eleições regionais e locais de outubro.

Na quarta, a Comissão de Justiça do Congresso pedira a destituição de todos os integrantes do CNM. O episódio deverá desencadear uma ampla reestruturação do Poder Judiciário peruano. Na sexta-feira, o plenário do Congresso se reunirá, a pedido do presidente peruano, Martín Vizcarra, para decidir se aceita a renúncia e destitui os magistrados.

A imprensa do país considera o escândalo uma triste repetição histórica no país. A divulgação áudios e vídeos gravados  provocaram a queda do presidente Alberto Fujimori em 2000, a renúncia de Pedro Pablo Kuczynski, em março passado, e a suspensão do popular legislador Kenji Fujimori (filho do ex-governante), em junho.

(Com EFE)

 

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês