Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Empresas suspendem voos para Irã e Iraque após escalada de tensão

Companhias aéreas como Air France, KLM e Lufthansa alegam 'precaução' após os ataques do Irã a bases iraquianas que abrigavam tropas dos Estados Unidos

Por Da Redação 8 jan 2020, 10h17

Companhias aéreas do mundo todo, como Air France, KLM e Lufthansa, cancelaram ou optaram por desviar voos para evitar os espaços aéreos do Irã e do Iraque. A decisão é considerada uma “medida de precaução”, após os ataques do Irã a duas bases iraquianas que abrigavam tropas dos Estados Unidos.

“Por medida de precaução e diante do anúncio de ataques aéreos em curso, a Air France decidiu suspender, até nova ordem, voos sobre os espaços iraniano e iraquiano”, afirmou um porta-voz da empresa à agência de notícias AFP.

A empresa holandesa KLM, que faz parte do mesmo grupo, optou por redirecionar rotas. “Todos os voos para os diferentes destinos do Sudeste Asiático e para o Oriente Médio serão operados em rotas alternativas”, afirmou um porta-voz da empresa.

A alemã Lufthansa anunciou a suspensão dos voos para o Irã e Iraque. De acordo com a empresa, contornar as zonas aéreas iraniana e iraquiana causará “um impacto sobre a duração” de outros voos.

Na mesma linha, anunciaram a suspensão empresas como a Bahrein Airways, a Kuwait Airways e a EgyptAir. Outras companhias como a Singapore Airlines, a Malaysia Airlines, a australiana Qantas e a companhia aérea nacional polonesa LOT redirecionaram rotas.

A Agência Federal de Aviação americana (FAA) proibiu na noite desta terça-feira que aviões civis americanos sobrevoem o Irã e a região do Golfo.

No Brasil, voos diretos da companhia Emirates para Dubai continuam sendo ofertados com saídas de São Paulo ou Rio de Janeiro. Até o fechamento desta nota, a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) não havia se pronunciado sobre a escalada de tensão no Oriente Médio.

Na noite desta terça-feira, o Irã disparou 22 mísseis balísticos contra duas bases do Iraque. A ofensiva foi uma resposta de Teerã ao assassinato do general iraniano Qasem Soleimani, a mando dos EUA, na semana passada.

(Com AFP e Agência Brasil)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês