Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Embaixadora dos EUA na ONU defende mulheres que acusaram Trump

Nikki Haley está em um dos cargos mais altos ocupados por mulheres no atual governo americano

Por Da redação Atualizado em 11 dez 2017, 17h23 - Publicado em 11 dez 2017, 16h47

A embaixadora dos Estados Unidos na Organização das Nações Unidas (ONU), Nikki Haley, defendeu o direito das mulheres que acusaram Donald Trump de assédio sexual de “serem ouvidas”. A declaração da representante americana na ONU diz respeito a mais de uma dezena de casos relacionados ao atual chefe da Casa Branca que vieram à tona durante e após a corrida presidencial de 2016.

“Creio que qualquer mulher que tenha se sentido violada ou que tenha se sentido maltratada de alguma maneira tenha todo o direito de falar sobre isso”, disse Haley em entrevista neste domingo ao programa “Face the Nation”, da rede americana CBS, ao ser perguntada sobre a avaliação pública dos escândalos sexuais envolvendo Trump.

Para a chefe da diplomacia americana na ONU, cabe “às pessoas decidirem” se as acusações de assédio contra Trump foram resolvidas com a chegada do empresário à Casa Branca. “Eu sei que ele foi eleito, mas, sabe, as mulheres sempre devem se sentir confortáveis em se manifestar, e todos nós devemos estar dispostos a escutá-las”, pontuou Hailey, que disse se sentir “orgulhosa da força e da coragem” das mulheres responsáveis pelas denúncias que balançaram o establishment político e cultural dos Estados Unidos em tempos recentes.

Apenas na última semana, três políticos do alto escalão americano renunciaram em meio a escândalos sexuais. O senador Al Franken e o deputado John Conyers, ambos do Partido Democrata, e o deputado Trent Franks, do Partido Republicano, anunciaram a saída do cenário político depois de serem denunciados por assédio. Na conta dos republicanos, pende ainda o caso de Roy Moore, que concorre a uma vaga no Senado pelo estado do Alabama e é acusado de se encontrar com menores de idade no final dos anos 1970, quando ele tinha 32 anos.

O movimento #MeToo, eleito como ‘Personalidade do Ano’ pela revista Time em 2017, jogou luz na questão de crimes sexuais nos Estados Unidos em decorrência das denúncias contra o produtor de cinema Harvey Weinstein e outros grandes nomes de Hollywood. As declarações de Haley podem retomar antigos episódios envolvendo Trump e mulheres que o acusaram de assédio. O presidente declarou que todas as acusações são “invenções” e “fake news”.

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)