Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Embaixador chinês nos EUA alerta para conflito militar sobre Taiwan

Essa é a fala mais explícita sobre um possível confronto entre os países envolvendo Taiwan

Por Matheus Deccache 28 jan 2022, 19h06

O embaixador da China nos Estados Unidos, Qin Gang, disse nesta sexta-feira (28) que ambos os países podem entrar em um “conflito militar” sobre o futuro de Taiwan, na fala mais explícita referente a uma possível guerra. 

“A questão de Taiwan é o maior barril de pólvora entre Pequim e Washington”, disse Qin Gang à emissora de rádio National Public Radio. “Se as autoridades taiwanesas, encorajadas pelos americanos, continuarem no caminho da independência, provavelmente envolverá a China e os Estados Unidos, os dois grandes países, em um conflito militar”, concluiu. 

As tensões a respeito da ilha continuam a crescer. O Partido Comunista Chinês considera Taiwan uma província separatista e demanda por sua anexação. Em novembro, o presidente chinês, Xi Jinping, disse a Joe Biden que qualquer apoio à independência por parte dos Estados Unidos seria como “brincar com fogo” e que eles “poderiam se queimar”.

Pequim vem aumentando a pressão sobre o território nos últimos anos e, apesar de prometer uma “reunificação” pacífica, o que se tem visto na teoria é diferente. No último domingo, a força aérea chinesa enviou 39 aviões de guerra para a zona de identificação de defesa aérea de Taiwan, o maior número diário de aeronaves desde outubro. 

Os Estados Unidos e alguns de seus aliados no Ocidente defenderam nos últimos meses a participação significativa da ilha no sistema da ONU, medida que irritou a China. Além disso, o comitê de Relações Exteriores do Reino Unido anunciou que planeja visitar o território em fevereiro. 

Na entrevista à emissora de rádio, o embaixador culpou o atual governo de Taiwan pela situação de tensão. Segundo ele, “a busca pela independência tomando emprestado o apoio e o incentivo dos Estados Unidos” piorou a relação entre as nações. 

Analistas apontam que, apesar da fala de Qin ser incomum, um conflito armado nos próximos meses é pouco provável, uma vez que o próprio embaixador afirmou que os laços bilaterais construídos entre Pequim e Washington constituem o relacionamento mais importante da China.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês