Em vídeo, atirador fala de motivação para ataque

Pais do jovem de 22 anos que matou seis pessoas ouviram notícia sobre massacre no rádio do carro, quando iam ao local do crime tentar parar o filho

Por Da Redação - 26 maio 2014, 19h53

Os pais do atirador Elliot Rodger ouviram notícias sobre o ataque no rádio do carro quando iam para o campus da Universidade da Califórnia em Santa Bárbara, para tentar impedi-lo de cometer a atrocidade. Minutos antes de matar seis pessoas e deixar treze feridas, o atirador enviou por e-mail um plano de 141 páginas para trinta pessoas, incluindo os pais, ex-professores e terapeutas. Um dos terapeutas telefonou para a mãe do jovem, Chin Rodger, imediatamente perguntando se ela tinha recebido a mensagem e dizendo que ela deveria ver o e-mail. Isso ocorreu por volta das 21h17 de sexta-feira, cerca de 13 minutos antes do início do massacre, informou o jornal britânico Telegraph. Foi então que a mãe conferiu a página do filho no YouTube, onde ele já havia publicado vídeos perturbadores, e descobriu uma nova gravação na qual Elliot falava em “vingança contra a humanidade”.

Leia também:

Atirador da Califórnia disse em carta que polícia quase acabou com seus planos

Em sua loucura, o jovem de 22 anos afirma que “retribuiria” a sociedade por ter sofrido isolamento social. “Amanhã é o dia da retribuição, o dia em que eu terei minha vingança contra a humanidade, contra todos vocês. Durante os últimos oito anos da minha vida, desde que atingi a puberdade, eu fui forçado a suportar uma existência de solidão, rejeição e desejos não realizados. Tudo porque as meninas nunca se sentiram atraídas por mim. Meninas deram seu carinho, amor e sexo para outros homens, nunca para mim”, diz ele, logo no início da gravação, feita dentro do mesmo automóvel, um modelo BMW preto, usado durante o ataque.

Publicidade

Depois de assistir ao vídeo, a mãe de Elliot telefonou para a polícia e para o pai do jovem, o assistente de direção da franquia ‘Jogos Vorazes’ Peter Rodger. Os dois percorreram 160 quilômetros até Isla Vista, enquanto ouviam no rádio a confirmação de que um ataque havia ocorrido na universidade. Ao chegar ao local, foram informados de que seu filho mesmo era o atirador.

Depois de esfaquear três pessoas, ele passou atirando perto do campus da universidade e deixou outros três mortos antes de cometer suicídio. Todos os mortos eram estudantes. Um dos feridos está em estado grave, segundo a rede CNN. O xerife do condado de Santa Barbara, Bill Brown, disse no sábado que Rodger foi avaliado por diversos profissionais de saúde e que estava evidente que ele tinha problemas mentais. O delegado afirmou ainda que, embora seu departamento tivesse entrado em contato com Rodger pelo menos três vezes antes do massacre, o estudante não apresentava os critérios necessários para uma internação involuntária.

O desequilíbrio do atirador se manifestava até mesmo em momentos de lazer. Depois de assistir a uma première de um dos filmes da franquia que o pai dirigia, ele escreveu que “foi uma experiência extraordinária”, mas que se sentia “muito amargo” por não ter sido capaz de levar uma garota com ela na estreia. “A maioria dos homens no evento tinha uma mulher com eles, e eu me senti muito patético por não ter uma”.

Crime – As autoridades reconstituíram o ataque com base em testemunhas e pistas, e concluíram que Rodger esfaqueou três vítimas no prédio em que morava e depois atirou e matou três pessoas de forma aleatória. Ele também feriu outros treze com tiros e tentando atropelar ciclistas e skatistas. Os ataques aconteceram em uma área de apenas um quilômetro quadrado, perto do campus de Santa Bárbara da Universidade da Califórnia. Todas as vítimas esfaqueadas eram estudantes e ainda não está claro se um deles era vizinho ou dividia um dos apartamentos com o agressor.

Publicidade

Depois de atirar nos pedestres, Rodger passou por quatro policiais que estavam em um parque próximo ao local do tiroteio. Três dos agentes abriram fogo e uma bala atingiu Rodger em seu quadril esquerdo, disseram a autoridades. Rodger acelerou e durante sua tentativa de fuga, ele atropelou um ciclista, que foi jogado sobre o capô do carro, amassando a lataria. Pouco depois ele parou o veículo e aparentemente se suicidou com um tiro na cabeça. A polícia encontrou três pistolas semiautomáticas e 400 cartuchos não utilizados em seu carro – todas as armas foram adquiridas legalmente.

Publicidade