Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Em reunião, China apoia diplomacia, mas condena sanções à Rússia

O líder chinês, Xi Jinping, falou por vídeo com o presidente francês Emmanuel Macron e o chanceler alemão Olaf Scholz

Por Alessandro Giannini Atualizado em 9 mar 2022, 00h48 - Publicado em 9 mar 2022, 00h42

Na terça-feira, dia 8, uma reunião entre os líderes da China, França e Alemanha teve como pauta central a Guerra na Ucrânia. O presidente chinês, Xi Jinping, enfatizou que é necessário apoiar as negociações de paz entre a Rússia e a Ucrânia e encorajar os dois lados a manter o ritmo das negociações, superar as dificuldades e trazer resultados pacíficos. “Precisamos pedir o máximo de contenção para evitar uma crise humanitária massiva”, disse ele, de acordo com a agência estatal Xinhua.

O líder chinês disse ao presidente francês Emmanuel Macron e ao chanceler alemão Olaf Scholz que é imperativo trabalharem juntos para reduzir o impacto negativo da crise. Xi acrescentou que as sanções contra a Rússia afetarão as finanças globais, a energia, o transporte e a estabilidade das cadeias de suprimentos e amortecerão a economia global que já está devastada pela pandemia. “E isso não interessa a ninguém”, completou.

Macron e Scholz disseram que a Europa está enfrentando a pior crise desde a Segunda Guerra Mundial. Embora tenham apoiado as sanções contra a Rússia, França e Alemanha também trabalham por negociações diplomáticas, para dar uma “chance à paz”.

Faz sentido que Xi Jinping insista numa solução diplomática para o conflito. A China se recusa a condenar as ações da Rússia na Ucrânia ou chamá-las de invasão, além de se opor às sanções que os países do Ocidente estão impondo ao governo russo para pressioná-lo. Em fevereiro, na abertura das Olimpíadas de Inverno de Pequim 2022, o presidente chinês recebeu o presidente russo, Vladimir Putin, na cerimônia de abertura do evento. No mesmo dia, os dois líderes haviam acertado uma parceria estratégica “sem limites”.

Os líderes também discutiram a questão nuclear iraniana.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)