Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Em provocação aos EUA, Assad e Putin encontram-se em Moscou

Oficialmente, o encontro serviu para discutirem o combate ao terrorismo. Simbolicamente, é uma mensagem aos países ocidentais que se recusam a negociar com Assad

Fazendo sua primeira viagem ao exterior desde 2011, o ditador sírio apareceu nesta quarta-feira em Moscou para uma visita ao presidente russo Vladimir Putin, que o apoia em sua guerra para aniquilar os rebeldes que tentam fazer uma revolução na Síria. O motivo oficial da visita, de acordo com um comunicado do Kremlin, é “analisar a situação da luta contra o terrorismo na Síria”. O inusitado encontro, no entanto, está sendo encarado por analistas como mais uma clara provocação de Putin aos países ocidentais – sobretudo aos Estados Unidos -, que se recusam a negociar com o ditador sírio.

“As conversas foram bastante prolongadas”, disse à imprensa o porta-voz da presidência russa, Dmitri Peskov, ao anunciar a visita-relâmpago do ditador à capital russa. Peskov acrescentou que Assad e Putin falaram, “de assuntos relativos à luta contra as organizações terroristas e da continuação da operação russa de apoio às ações das Forças Armadas sírias”.

Leia também

EUA e Rússia assinam acordo para segurança aérea na Síria

Apesar da ajuda russa, ditador Assad não consegue se impor sobre rebeldes

Com apoio da Rússia, Irã começa a enviar combatentes para a Síria

Segundo a agência oficial russa RIA Novosti, o porta-voz do Kremlin se negou a responder se nas conversas eles trataram sobre o futuro do ditador sírio à frente do país. Assad afirmou que “o terrorismo é o obstáculo para uma solução política” na Síria, garantindo que a participação da Força Aérea russa nessas operações militares “contribui para deter a expansão das organizações terroristas na Síria”. Já Putin expressou a disposição de seu país de ajudar política e militarmente à Síria, e garantiu a Assad que vai fazer contato com outras potências internacionais para estudar uma solução política à guerra.

Até o momento, os Estados Unidos – que lideram uma aliança internacional que combate o terrorismo na Síria e no Iraque – e a União Europeia (UE) não emitiram nenhum comunicado sobre o encontro entre Assad e Putin. A Rússia, desde 30 de setembro, também realiza ataques aéreos no país e alega ter como alvo o Estado Islâmico e outros grupos terroristas. O Pentágono e a UE, no entanto, afirmam que Moscou bombardeia principalmente os rebeldes que lutam contra as forças do governo do ditador Assad.

(Da redação)