Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Pressionado, Xi Jinping vai a hospital e se mostra no combate a epidemia

País registra 908 mortes pelo surto do coronavírus causador de pneumonia, 40.627 enfermos e 140.000 casos suspeitos

Por Da Redação Atualizado em 30 jul 2020, 19h29 - Publicado em 10 fev 2020, 13h24

Sob escrutínio público desde a morte do médico Li Wenliang, primeiro a reportar os casos de coronavírus e censurado pelo seu governo, o presidente da China, Xi Jinping, realizou nesta segunda-feira, 10, uma visita a bairros e hospitais de Pequim. Nesta segunda aparição pública desde o início da epidemia, em dezembro, Xi mostrou-se em plena supervisão dos esforços de contenção da epidemia que já matou 908 pessoas no país e contaminou mais de 40.000 em todo o mundo.

A última vez que Xi apareceu em público foi na semana passada, durante uma visita ao Camboja. Desta vez, a imprensa estatal chinesa divulgou vídeos do presidente acenando para os moradores de um prédio residencia de Pequim e dentro de um hospital local, onde fez uma vídeo conferência com os médicos que estão trabalhando em Wuhan, epicentro da epidemia.

Segundo agência de notícias estatal Xinhua, o objetivo do presidente é estar na “linha de frente” dos esforços de Pequim em conter a disseminação do coronavírus e assegurar que o suprimento de necessidades básicas estejam sendo entregues.

Sua visita também ocorre no dia seguinte do registro da morte de 97 pessoas vítimas do coronavírus. A epidemia forçou o governo a colocar dezenas de cidades em quarentena e a adotar outras medidas restritivas, como a interrupção do transporte publico, para tentar conter a disseminação do vírus. O governo central também construiu dois hospitais em tempo recorde para tratar dos doentes na província de Hubei.

Apesar das acusações de censura e de postergação do anúncio da epidemia, a Organização Mundial da Saúde (OMS) elogiou as medidas adotadas pelo governo chinês. Alertou, porém, que os atuais números de mortos e enfermos pode ser apenas “a ponta do iceberg”. Somente na China há mais de 140.000 casos suspeitos. Ao redor do mundo, foram confirmados 390 casos de coronavírus.

Um cruzeiro aportado em Hong Kong com 3.700 pessoas a bordo ficou de quarentena por cinco dias. De todos os passageiros e tripulantes, 130 foram diagnosticados com o coronavírus e seguem internados.

(Com AFP)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês