Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Em meio a conflito por aumento de tarifas na Argentina, Macri pede consumo menor de energia

"Se estiver em casa no inverno vestindo de camiseta ou de pé no chão, você está consumindo energia demais", disse o presidente argentino

Em meio à disputa judicial na Argentina para frear os fortes aumentos das tarifas de gás e outros serviços básicos, o presidente Mauricio Macri pediu nesta segunda-feira à população que consuma o mínimo de energia possível.

“Hoje tenho que pedir a todos vocês que, por favor, entendam que a Argentina precisa que sejamos responsáveis e que consumamos menos energia”, afirmou Macri em um ato para anunciar um novo plano de moradias.

O presidente argentino fez o pedido horas antes de seu governo defender os aumentos que causaram protestos em todo o país e que levou a Justiça a suspender a aplicação dos novos preços até que a Suprema Corte se manifeste, na próxima terça-feira.

Leia também:

Juiz ordena congelamento de contas bancárias de Cristina Kirchner

Grupo invade sede de jornal em Buenos Aires e destrói equipamentos

Com inflação galopante, Argentina lança cédula de 500 pesos

“Quando vocês estiverem em casa no inverno e se virem de camiseta ou de pé no chão, é porque estão consumindo energia demais”, disse Macri. Ao pedir que se agasalhem em vez de usar os sistemas de calefação a gás ou eletricidade o dia todo, o mandatário argentino ressaltou: “Consumam o mínimo de energia necessária”.

Macri promoveu os aumentos com argumento de que as tarifas estavam defasadas, culpando o governo anterior da ex-presidente Cristina Kirchner (2007-2015). O novo presidente também cortou subsídios, com exceção de casos de pessoas em extrema pobreza, que recebem um auxílio por filho, e aposentados que recebem salário mínimo.

As reclamações na Justiça foram apresentados pelos usuários, pequenos empresários, clubes de bairro e até mesmo províncias inteiras da Patagônia, onde o frio faz estragos.

O próprio ministro de Energia, Juan José Aranguren, lamentou “a judicialização” dessas medidas.

(Com AFP)