Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Em encontro no Rio, Bolsonaro presta continência para conselheiro de Trump

Assessor da Casa Branca e presidente eleito tiveram reunião "muito producente e grata"; Bolton convidou brasileiro para visitar os Estados Unidos em breve

O presidente eleito Jair Bolsonaro se encontrou na manhã desta quinta-feira 29 com o conselheiro de Segurança Nacional da Casa Branca, John Bolton. Em mensagem publicada no Twitter, Bolsonaro afirmou que teve uma conversa “muito producente e grata” com o representante americano. No início da reunião, o brasileiro bateu continência para o diplomata dos Estados Unidos.

Segundo afirmou o próprio assessor de Donald Trump pelas redes sociais, o presidente convidou o deputado brasileiro para visitar os Estados Unidos em breve.

Bolton, que já serviu como embaixador americano na ONU, chegou pontualmente, às 7h, à casa de Bolsonaro no Rio de Janeiro. Foi escoltado por uma comitiva e carros e helicópteros da polícia brasileira.

Assim que desceu de seu veículo, foi recebido pelo presidente eleito com uma continência rápida.

O assessor de Donald Trump estava acompanhado do diretor de imprensa, Garrett Marquis, do diretor de Negócios do Hemisfério Oeste, Mauricio Claver-Carone, do diretor para o Brasil, David Schnier, e do Encarregado de Negócios, Bill Popp. A comitiva americana deixou o local menos de uma hora depois da chegada.

Do lado brasileiro, além de Bolsonaro estavam presentes os futuros ministros das Relações Exteriores, embaixador Ernesto Araújo, da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva, e do Gabinete de Segurança, general Augusto Heleno. Flávio Bolsonaro, eleito senador pelo Rio de Janeiro, também participou do encontro.

Antes da reunião, foi servido um café da manhã bastante informal. Nas fotos divulgadas do encontro, é possível ver uma mesa sem toalha, com pães, bolos, queijos na bandeja de isopor, frutas e pequenas iogurtes.

Jair Bolsonaro se encontra com o conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton. acompanhado do futuro Ministro da Defesa, General Fernando, o de Relações Exteriores Ernesto Araújo e com o Chefe do Gabinete de Segurança Institucional General Heleno – 29/11/2018

Jair Bolsonaro se encontra com o conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton. acompanhado do futuro Ministro da Defesa, General Fernando, o de Relações Exteriores Ernesto Araújo e com o Chefe do Gabinete de Segurança Institucional General Heleno – 29/11/2018 (Reprodução/Twitter)

Bolton fez uma escala no Rio de Janeiro em sua viagem para Buenos Aires, na Argentina, onde acompanhará Trump na reunião de cúpula do G20. Pelo Twitter, afirmou que compartilhou com Bolsonaro “muitos interesses bilaterais e trabalharemos de forma próxima para expandir a liberdade e a prosperidade por todo o continente americano”.

Além disso, o americano afirmou que transmitiu ao presidente eleito do Brasil o convite de Trump para que ele visite os Estados Unidos em breve.

O conselheiro de Trump, conhecido por sua linha dura nas áreas de Política Externa e de Segurança Internacional, não deu mais detalhes sobre os demais temas tratados em sua conversa com Bolsonaro.

Nas vésperas de seu encontro com o presidente eleito, o assessor da Casa Branca chegou a declarar em coletiva de imprensa que pretendia tratar com Bolsonaro sobre a preocupação dos Estados Unidos em estender sua cooperação contra o terrorismo. Disse também que o governo de Donald Trump tem expectativas de que o Brasil declare o Hezbollah como grupo de terror.

Segundo o assessor americano, a questão do contraterrorismo será tratada com todos os sete líderes com os quais o presidente americano se reunirá às margens do G20.

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, recebe em sua casa o conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, recebe em sua casa o conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton (Assessoria Jair Bolsonaro/Divulgação)

Na coletiva de terça-feira 27, contudo, Bolton escapou de perguntas sobre como a Casa Branca construiria boas relações comerciais com o Brasil depois das críticas de Trump ao protecionismo brasileiro e sobre como ambos os países podem tratar conjuntamente a questão da Venezuela.

(Com Agência Brasil e Reuters)