Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Em caravana, 150 centro-americanos esperam entrar nos EUA

Imigrantes chegam a Tijuana, na fronteira, desafiam política de Donald Trump contrária à imigração e tentam ingressar legalmente

Uma caravana com 150 centro-americanos alcançou Tijuana, cidade mexicana na fronteira com os Estados Unidos, no final de semana para ingressar no país e pedir  asilo. A iniciativa, que faz parte da Via Crucis Migrante, confronta a política do governo de Donald Trump contrária à imigração .

A Via Crúcis Migrante acontece desde 2010 para dar visibilidade ao dramático percurso dos centro-americanos, que fogem da violência e da falta de perspectivas em seus países, e se dispõem a cruzar o México para chegar aos Estados Unidos.

Sua mais recente campanha começou em 25 de março, com mais de mil pessoas, sobretudo de Honduras e El Salvador, embarcadas em ônibus. Algumas delas desistiram e retornaram, outras permaneceram no México, e muitas seguiram a viagem. Até o último final de semana, algumas haviam conseguido escalar o muro já existente na fronteira e ingressar ilegalmente nos Estados Unidos, informou o chefe de patrulha da Agência de Controle e Proteção de Fronteira.

À rede de televisão americana CNN, a salvadorenha Isabel Rodríguez, afirmou estar grata por ter chegado a Tijuana, mas confessou-se preocupada com a etapa final de sua jornada. Ela viaja na caravana com seus dois netos, Anderson, de 7 anos, e Cristofer, de 11. “Ouvi dizer que estão separando as pessoas que não são os pais das crianças. Ainda assim, estou pronta a ir até a fronteira”, disse ela.

Quando as primeiras imagens dos centro-americanos cruzando pelo México foram divulgadas, Trump pediu a interrupção da caravana e ordenou a mobilização da Guarda Nacional na fronteira. “Eu instruí o Departamento de Segurança Interna a não permitir que essa enorme caravana de pessoas entre no nosso país. É uma desgraça. Nós somos o único país ingênuo do mundo! Muro”, escreveu Trump no Twitter.

O presidente americano aproveitou o episódio para novamente pressionou as autoridades mexicanas em favor da construção do muro na fronteira e insistiu na renegociação do Tratado de Livre Comércio da América do Norte (Nafta).

O México, porém, rejeitou as pressões e se limitou a dar aos migrantes permissões de trânsito de até um mês para se decidirem se  solicitariam refúgio no país, retornam a seus próprios países ou seguem para os Estados Unidos.

(Com AFP)