Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Em busca de turistas, Egito reabre Avenida das Esfinges restaurada

Evento em Luxor, que reencenou antigo festival religioso, teve a presença do presidente Abdel Fattah al-Sisi

Por Da Redação Atualizado em 25 nov 2021, 21h25 - Publicado em 25 nov 2021, 21h23

A Avenida das Esfinges, no Egito, foi reaberta nesta quina-feira, 25, com a presença do presidente Abdel Fattah al-Sisi e outras autoridades do governo. Carruagens faraônicas e mais de 400 jovens vestidos em trajes típicos de 3 000 anos atrás desfilaram ao longo dos 2,7 quilômetros que ligam os antigos complexos religiosos de Karnak e Luxor, no que foi a cidade de Tebas, capital egípcia na antiguidade.

O evento de reabertura incluiu uma reconstituição do antigo festival Opet, no qual estátuas de divindades tebanas desfilavam anualmente durante a era do Novo Império em celebração da fertilidade e da inundação do Nilo. O Egito tem lutado para reviver sua indústria de turismo, atingida por anos de turbulência política após a revolta popular de 2011 que derrubou Hosni Mubarak e, mais recentemente, a pandemia de coronavírus.

Conhecida também como Caminho dos Carneiros e Caminho dos Deuses, a avenida teria sido o caminho que os peregrinos percorriam para visitar os templos e homenagear suas divindades. Repleta de estátuas de carneiros e esfinges em pedestais, a antiga estrada de Luxor, que fica às margens do Rio Nilo e está localizada a cerca de 650 quilômetros ao sul do Cairo, esteve em escavação por mais mais de 50 anos.

Avenida das Esfinges, em Luxor, no Egito
Repleta de estátuas de carneiros e esfinges em pedestais, a antiga estrada de Luxor, fica às margens do Rio Nilo, no Egito – Ministério das Antiguidades do Egito/Divulgação

Mohamed Abd al-Badei, funcionário da arqueologia egípcia, disse que as ruínas mais antigas ao longo do caminho são seis estruturas construídas pela Rainha Hatexepsute, a única mulher faraó do Egito, datadas de 1400 a.C. Em abril, o governo organizou uma procissão para marcar a transferência de algumas das famosas múmias do Museu Egípcio no centro do Cairo para um museu recém-construído no sul da capital.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês