Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

EI recrutou 400 menores de idade na Síria desde o início do ano

Os jihadistas chamam os menores recrutados de 'filhos do califado' e os submetem a treinamentos militares e de doutrinação islâmica extremista

O grupo terrorista Estado Islâmico (EI) recrutou pelo menos 400 menores de idade nas áreas que controla na Síria desde o início deste ano, informou nesta terça-feira o Observatório Sírio de Direitos Humanos, entidade civil com sede em Londres. Além disso, 120 novos combatentes adultos aderiram à organização radical desde o começo de 2015, entre os quais há sírios e estrangeiros.

Recentemente, o EI abriu dois ‘escritórios’ para captar menores nas cidades de Al Mayadin e Al Bukamal, na província síria de Deir al Zur, na fronteira com o Iraque. O grupo extremista estimula os pais a enviar seus filhos para alistar-se e também recebe menores que querem juntar-se a suas fileiras sem o consentimento de seus responsáveis.

Leia também

Estado Islâmico lista cem militares americanos a serem executados

Vídeo do EI mostra menino matando homem acusado de ser espião

Estado Islâmico vende, crucifica e enterra crianças vivas no Iraque

Após seu registro, os ‘recrutas’ são submetidos a um treinamento militar e a sessões de aprendizagem da sharia, a rígida lei islâmica, segundo a ONG. Os jihadistas tentam atrair os garotos em mesquitas, escolas e praças, e até quando há execuções em público. As crianças e adolescentes são empregados pelo EI, que denomina os menores que estão em suas fileiras de ‘filhos do califado’, como informantes e guardiões de seus quartéis.

Em duas ocasiões, e com fins propagandísticos, os menores protagonizaram vídeos do EI. Nas imagens editadas eles aparentam assassinar a tiros dois russos e um árabe-israelense acusados pelos radicais de serem espiões. Os extremistas proclamaram no final de junho um califado no Iraque e na Síria, onde tomaram partes do norte e do centro do território de ambos os países.

Leia mais

Saiba quais são e o que querem os principais grupos terroristas

(Da redação)