Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

EI planeja usar terroristas estrangeiros para atentados em países europeus

Os terroristas querem se aproveitar da falta de comunicação entre os serviços de segurança europeus, que não costumam compartilhar informações sobre jihadistas já identificados

Por Da Redação Atualizado em 30 jul 2020, 21h22 - Publicado em 26 out 2015, 17h04

O Estado Islâmico planeja utilizar terroristas estrangeiros em seus atentados na Europa, para dificultar a identificação doa autores de ataques. A estratégia de promover uma espécie de “intercâmbio” de jihadistas é se aproveitar da falta de comunicação entre os serviços secretos das nações, que não costumam compartilhar informações sobre terroristas já identificados, e assim poder abrir mão de recrutar militantes do próprio país que for alvo dos ataques.

Estas são as conclusões de um relatório dos serviços de inteligência franceses reveladas nesta segunda-feira pela rádio France Info, que fala de uma nova estratégia de “ataques oblíquos”. Ao enviar jihadistas franceses para cometer atentados na Alemanha ou na Espanha e, em paralelo, utilizar terroristas alemães ou espanhóis para atuar na França, o grupo extremista tentaria escapar da vigilância e da inteligência do país que pretendem atacar.

Leia também:

Comandos americanos e curdos invadem prisão do EI no Iraque e libertam 70 reféns

Padre italiano sequestrado em 2013 foi visto vivo em poder do EI

Continua após a publicidade

Ataque do EI deixa cinco mortos em culto xiita na Arábia Saudita

Essa falta de coordenação entre os serviços de segurança europeus – os países não compartilham todas as informações sobre os indivíduos fichados por terrorismo – ficou em evidência, segundo a France Info, após a tentativa de atentado em agosto em um trem que ia de Amsterdã a Paris.

A ação foi protagonizada pelo terrorista Ayoub El Khazzani, de nacionalidade marroquina. Ele vivia na Espanha, onde foi fichado pelos serviços secretos por seu perfil fundamentalista. Posteriormente, seu perfil também foi identificado em outros países, como França, Alemanha e Bélgica, mas de acordo com as informações da rádio francesa, houve má comunicação entre os países, o que facilitou a tentativa de ataque.

Estima-se que hoje, na Síria e no Iraque, 500 franceses estejam integrados ao EI. Mais de 130 já morreram em combate. Além disso, há mais de 1.700 franceses vinculados a movimentos jihadistas em todo o mundo.

(Com agência EFE)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)