Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Egito: ministro renuncia em meio a novos protestos

Mais de 30 pessoas morreram desde sábado nos confrontos na Praça Tahrir

O ministro da Cultura do Egito, Emad Abu Ghazi, anunciou nesta segunda-feira sua “renúncia definitiva por conta dos fatos dos últimos dias na praça Tahrir do Cairo”, onde mais de 30 pessoas morreram desde sábado em violentos confrontos entre manifestantes e forças de segurança da Junta Militar. O intelectual e professor universitário de História é o primeiro membro do novo governo que renuncia.

Entenda o caso

  1. • Na onda da Primavera Árabe, que teve início na Tunísia, egípcios iniciaram, em janeiro, sua série de protestos exigindo a saída do então presidente Hosni Mubarak.
  2. • Durante as manifestações, mais de 850 rebeldes morreram em choques com as forças de segurança de Mubarak que, junto a seus filhos, é acusado de abuso de poder e de premeditar essas mortes.
  3. • Após 18 dias de levante popular, em 11 de fevereiro, o ditador cede à pressão e renuncia ao cargo, deixando Cairo.
  4. • No lugar dele, assumiu a Junta Militar que segue governando o Egito até as eleições.

Leia mais no Tema ‘Revolta no Egito’

“Participei da reunião de urgência do Conselho de Ministros ontem à tarde (domingo) e no final apresentei minha renúncia verbalmente ao primeiro-ministro Essam Sharaf”, explicou Abu Ghazi, que até hoje não havia confirmado a informação.

“Entreguei minha renúncia por escrito e lhe agradeci por seu trabalho, porque o respeito muito”, completou, sem dar mais detalhes sobre a maneira como o governo administra a crise.

A renúncia começou a ser aventada durante o domingo, mas Abu Ghazi não se havia se pronunciado ainda sobre a decisão, adotada depois das mortes na praça Tahrir. As informações sobre o número de mortes ainda são conflituosas. Algumas agências de notícias falam em 22 mortes, enquantro outras citam 33.

Em seu perfil no Facebook, o historiador recebeu durante dois dias felicitações de centenas de pessoas, que elogiaram sua coragem pela decisão.

(Com agência EFE)