Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Egípcios protestam contra veredicto no julgamento de Mubarak

Por Mohammed Abed 5 jun 2012, 15h04

Milhares de egípcios protestavam nesta terça-feira no Cairo e no restante do país contra os veredictos considerados brandos demais no processo contra o ex-presidente Hosni Mubarak e seis ex-chefes de sua polícia, em um clima já bastante tenso por causa das eleições presidenciais.

Também havia manifestações em Alexandria (norte) e nas cidades ao longo do Canal de Suez (Suez, Port Said, Ismailia) assim como em Asiut (sul), segundo fontes de segurança.

Milhares de pessoas estavam reunidas na Praça Tahrir, no centro da capital. Várias manifestações devem convergir neste local ao cair da noite.

As polêmicas em torno deste processo deixaram ainda mais pesado o ambiente político à medida que se aproxima o segundo turno das eleições presidenciais de 16 e 17 de junho, na qual se enfrentam um candidato da Irmandade Muçulmana, Mohamed Mursi, e o último premier de Mubarak, Ahmad Shafiq.

Mubarak e seu ex-ministro do Interior, Habib el Adli, foram condenados à prisão perpétua, mas seis ex-chefes de sua polícia foram absolvidos.

Essas autoridades do antigo regime eram julgadas pela repressão sangrenta da revolta contra o regime, no começo de 2011, que oficialmente deixou 850 mortos.

Esses veredictos, que não indicam culpados diretos pela morte dos manifestantes, provocaram diversas reações de ira e manifestações no país. As acusações por corrupção feitas contra Mubarak e seus dois filhos, Alaa e Gamal, não foram consideradas.

“Esses veredictos são grandes provocações. Mostram que desde o início os militares (no poder desde a queda de Mubarak) querem fazer a revolução fracassar”, considerou Duaa, uma jovem que protestava na Praça Tahrir.

Continua após a publicidade

“Rejeitamos o julgamento de Mubarak, que foi uma grande farsa. Queremos também a destituição do procurador geral, que engavetou todos os processos por corrupção”, afirmou Hicham Khalifa, um técnico em informática também presente na praça.

A promotoria anunciou que apresentará um recurso de apelação, mas, segundo uma fonte judicial, este processo pode durar ainda várias semanas.

Apesar da condenação à prisão perpétua pronunciada contra Mubarak, este veredicto é considerado por vários egípcios uma forma de responder aos clamores por justiça pelas ações mais criticadas de seu governo, como a brutalidade da polícia e a corrupção.

Dois candidatos à presidência eliminados no primeiro turno, o nacionalista de esquerda Hamden Sabahi e o islamita moderado Abdel Moneim Abul Futuh, estavam à frente de duas passeatas diferentes em direção à Praça Tahrir.

Ambos prometeram na segunda-feira manter a “revolução”.

Também pediram a suspensão do segundo turno, à espera de que a corte constitucional esclareça a situação de Shafiq, cuja situação, a princípio, se enquadra na lei que proíbe que antigas autoridades do regime de Mubarak se candidatem.

Shafiq pediu “respeito à legalidade proveniente das urnas”, segundo a rede egípcia CBC.

A Irmandade Muçulmana convocou uma manifestação “em resposta à exigência popular por um novo julgamento”.

As manifestações desta terça-feira permitirão aos egípcios “manifestar seu desejo de proteger a revolução”, indicou a Irmandade.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês