Clique e assine a partir de 9,90/mês

Editor do Clarín condena campanha contra a imprensa

Ricardo Kirschbaum disse que na Argentina não ocorre um caso de "censura clássica", mas uma estratégia que procura "disciplinar" os jornalistas

Por Da Redação - 15 out 2012, 18h21

Após a Argentina ser eleita como um dos países das Américas mais hostis ao jornalismo, como apontou um relatório preliminar da Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP) divulgado neste final de semana, o editor-geral do jornal argentino de oposição Clarín criticou a situação atual da imprensa em seu país. “Na Argentina, está em disputa o direito constitucional de informar sem pressões nem intimidações”, disse Ricardo Kirschbaum, durante um encontro da SIP realizado em São Paulo.

Para ele, na Argentina não ocorre um caso de “censura clássica”, mas uma estratégia que procura “disciplinar” os jornalistas com diversos métodos, como “destruir sua reputação apresentando-os como meros reprodutores de interesses empresariais ou pessoais”.

Leia também: Após exames negativos, diretora do ‘Clarín’ pede fim de investigação sobre seus filhos

“Os editores enfrentam novos desafios, aqueles que são apresentados a todo o jornalismo. Mas estamos presos em uma questão central: a diferença entre as regras e os valores da democracia e da manipulação destes valores por governos que se dizem democráticos”, disse, referindo-se a governos como de Cristina Kirchner, mas também de Hugo Chávez, na Venezuela, e de Rafael Correa, no Equador, que já bateram de frente com a imprensa.

Continua após a publicidade
A presidente Cristina Kirchner exibe edição do jornal 'Clarín' durante pronunciamento
A presidente Cristina Kirchner exibe edição do jornal ‘Clarín’ durante pronunciamento VEJA

Saiba mais:

Cristina agora quer saber qual jornal os argentinos leem

Presidente fala na TV pela 17ª vez no ano e irrita argentinos

lei de Mídia

Continua após a publicidade

teme que Cristina exproprie

Publicidade