Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

E-mails revelam que amigo de Hillary lhe deu conselhos sobre política e diplomacia

Sid Blumenthal é ex-assessor do presidente Bill Clinton e não tinha nenhum cargo na administração Obama durante os contatos com a então Secretária de Estado dos EUA

Um velho amigo da ex-secretária de Estado americana Hillary Clinton desempenhou um papel desproporcional quando ela estava no governo (entre 2009 e 2013), dando conselhos sobre a política dos Estados Unidos e até mesmo suas relações com a Casa Branca do presidente Barack Obama, apesar de não ter cargo formal na administração pública. O Departamento de Estado divulgou na segunda-feira os e-mails em que o conselheiro Sid Blumenthal enviou a Hillary exaustivos memorandos sobre questões internas, tendo um papel mais ativo no aconselhamento do que se acreditava.

Blumenthal pediu a Hilarry que falasse de modo mais incisivo contra o grupo republicano radical a Tea Party e fizesse com que a Casa Branca “controlasse” um importante assessor de Obama que o havia contrariado. O amigo de Hillary, em dezenas de e-mails, expressou frequentemente opiniões francas tanto sobre questões de política externa, incluindo o Oriente Médio, mas também sobre política interna do país. Os laços estreitos com Blumenthal, ex-assessor do presidente Bill Clinton, poderiam prejudicar a ex-primeira-dama num momento em que disputa a candidatura democrata para a eleição presidencial de novembro de 2016.

Leia também

Trump cresce e Hillary desacelera em campanha eleitoral americana

Ricky Martin sobre Trump: ‘Só fala barbaridades e mentiras’

Donald Trump expulsa jornalista latino de entrevista coletiva

Hillary está sob pressão por ter usado uma conta privada de e-mail em vez de uma do governo quando serviu como encarregada da política externa dos Estados Unidos, de 2009 a 2013. Os opositores políticos a acusam de contornar as leis em matéria de transparência e de manutenção de dados do governo. Cumprindo ordens de um juiz, o Departamento de Estado divulgou um novo lote de 7.000 páginas de e-mails de Hillary nesse período, lançando alguma luz sobre como ela lidou com o seu trabalho.

(Com agência Reuters)