Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Durante internação, Trump tenta manter tom de campanha

Presidente americano disse que está 'se sentindo bem' e postou mensagem sobre estímulo econômico; imprensa dos EUA relata quadro de saúde 'preocupante'

Por Ricardo Ferraz Atualizado em 3 out 2020, 16h15 - Publicado em 3 out 2020, 15h41

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, utilizou as redes sociais para se comunicar com os eleitores durante a internação no hospital militar Walter Reed, em função da Covid-19. Pelo Twitter, o republicano divulgou uma a mensagem em tom de campanha que trata do futuro da economia: “Nosso grande Estados Unidos quer e precisa de estímulos. Trabalhem juntos e façam isso, obrigado”.

A hospitalização a um mês da eleição é vista como um grande entrave para uma virada do candidato republicano sobre o democrata Joe Biden, que tem vantagem nas pesquisas.

Também por meio do seu perfil pessoal na rede social, Trump agradeceu o trabalho dos profissionais envolvidos em seus cuidados: “Médicos, enfermeiras e todos do grande Centro Médico Walter Reed, e outros de instituições igualmente incríveis que se juntaram a eles, são demais! Um progresso tremendo foi feito nos últimos seis meses no combate a esta praga. Com a ajuda deles, estou me sentindo bem!”

ASSINE VEJA

O novo perfil que Bolsonaro quer para o STF Leia nesta edição: os planos do presidente para o Supremo. E mais: as profundas transformações provocadas no cotidiano pela pandemia
Clique e Assine

As mensagens ocorrem no momento em que veículos de imprensa americanos divulgam informações mais detalhadas sobre o estado de saúde do presidente que contrastam com o tom otimista da versão oficial apresentada no início da tarde deste sábado pela junta multidisciplinar d Walter Reed. O médico oficial da Casa Branca, Sean Conley, afirmou que Trump “está indo bem”, não apresentou febre nas últimas 24 horas e que “no momento” respira sem auxílio de aparelhos.

A rede americana CNN ouviu de uma fonte familiarizada com a saúde do presidente  que “os sinais vitais do presidente nas últimas 24 horas foram muito preocupantes e as próximas 48 horas serão críticas em termos de seu atendimento. Ainda não estamos em um caminho claro para um recuperação total”. A CNN também afirmou que o mandatário chegou a receber oxigênio suplementar. Fontes disseram ao jornal The New York Times que Trump recebeu auxílio de oxigênio na sexta, ainda na Casa Branca, depois de apresentar dificuldades respiratórias. 

Durante a entrevista coletiva, Sean Conley foi evasivo em diversos momentos, evitando comentar se o presidente americano precisou de respiração mecânica antes da internação ou a data do último teste negativo de coronavírus.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)