Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Donald Trump: ‘Não quero guerra’ contra o Irã

Cauteloso e em campanha de reeleição, presidente americano diz que autoria dos ataques a refinarias sauditas ainda está sendo checada

Por Da Redação Atualizado em 16 set 2019, 20h15 - Publicado em 16 set 2019, 19h00

Em um surpreende estilo cauteloso, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, declarou nesta segunda-feira, 16, não querer uma guerra com o Irã. Mas ressaltou que as Forças Armadas americanas são mais bem preparadas para o caso de surgir um conflito entre os dois países.

“Não quero guerra com ninguém”, afirmou a jornalistas na Casa Branca ao ser indagado sobre um possível conflito bélico depois dos ataques ocorridos no último sábado 14 contra refinarias da Arábia Saudita.

O governo dos Estados Unidos alegou haver evidências de que as armas partiram do Irã. A mesma tese foi corroborada pelas autoridades sauditas, que logo em seguida amenizaram o tom das acusações. Trump preferiu dizer que a responsabilidade pelo ataque com drones à principal refinaria saudita ainda está sendo checada.

“Com tudo o que está sendo dito, nós certamente gostaríamos de evitar (uma guerra)”, afirmou. “Eu sei que eles querem fazer um acordo”, completou o líder americano, já embrenhado em sua campanha de reeleição.

Nas últimas semanas, Trump se mostrara disposto a conversar diretamente com o presidente iraniano, Hassan Rouhani, sobre o futuro do programa nuclear de Teerã.  Essa via tornou-se possível depois da demissão de seu conselheiro de Segurança, John Bolton, que adotava uma postura mais agressiva. Os Estados Unidos, porém, não acenaram com a esperada redução das sanções econômicas atualmente em vigor contra o país – o provável inibidor de uma reação favorável de Rouhani.

Trump disse que os Estados Unidos estão “melhor preparados” que o Irã, por ter “os melhores sistemas de armas do mundo”. Mas também afirmou que “não prometeu” proteger os sauditas e que pode vir a sentar-se com eles para conversar.

O autoria dos ataque foi assumida pelos rebeldes houthis, de origem xiita, que lutam pelo poder no Iêmen e contra as forças da coalizão sunita, lideradas pela Arábia Saudita. Os houthis, no entanto, são apoiados pelo governo iraniano.

(Com EFE)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês