Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Donald Trump lidera pesquisa das primárias republicanas

A maioria foi entrevistada antes das declarações contra o senador McCain, dadas por Trump no sábado, quando questionou o status de "herói" militar de seu correligionário

Por Da Redação 21 jul 2015, 08h24

Mesmo sendo alvo de duras críticas por falar mal dos imigrantes mexicanos que chegam ilegalmente aos EUA e por desqualificar o heroísmo do veterano de guerra e senador John McCain, Donald Trump firmou sua liderança na briga pela indicação republicana para concorrer à Casa Branca – revela pesquisa divulgada nesta terça-feira. O magnata do setor imobiliário aparece com 24% das preferências dos eleitores de seu partido consultados pela enquete do jornal The Washington Post em parceria com a emissora de televisão ABC News.

Este é o mais alto índice de apoio a um candidato este ano, bastante à frente de seus rivais mais próximos: Scott Walker (13%) e Jeb Bush (12%). De acordo com o Post, a maioria foi entrevistada antes das declarações contra McCain, dadas por Trump no sábado, quando questionou o status de “herói” militar de seu correligionário.

Leia também

Donald Trump posta imagem com soldados nazistas e… culpa o estagiário

Trump desdenha de perdas comerciais: ‘Sou muito rico e não me importo’

Continua após a publicidade

Xenofobia leva ao cancelamento de atrações de Donald Trump na TV

O jornal acrescenta que a popularidade do magnata despencou entre as pessoas que responderam a enquete depois do incidente. McCain, de 78 anos, era piloto durante a guerra do Vietnã. Em outubro de 1967, seu avião foi atingido por um míssil, e ele precisou ejetar. Ferido e capturado em Hanói, permaneceu cinco anos e meio em cativeiro, onde foi torturado. Já Donald Trump, de 69, evitou a guerra, ao obter múltiplos adiamentos de alistamento, de acordo com documentos publicados pela imprensa em 2011.

Nesta segunda, McCain rebateu o ataque de Trump, afirmando que foram as famílias dos soldados que mais se sentiram feridas por seus comentários. “Não sou um herói”, declarou o senador à rede americana MSNBC. “Mas, provavelmente, ele deva se desculpar com as famílias de todos os que tanto sacrificaram nos conflitos e daqueles que tiveram de sofrer com a prisão a serviço de seu país”, acrescentou, com a voz embargada.

Caio Blinder: Trump, o perigoso tio doido

O combate verbal entre os dois republicanos começou quando McCain acusou Trump de estimular os “psicopatas”, ao comparar os imigrantes mexicanos em situação clandestina a criminosos. Em um país que venera seus soldados, atacar um ex-combatente prisioneiro de guerra e torturado é considerado uma falta bastante grave. Vários republicanos condenaram imediatamente as declarações de Trump.

(Da redação)

Continua após a publicidade
Publicidade