Clique e assine a partir de 9,90/mês

Doentes recorrem a remédios veterinários diante da escassez na Venezuela

Muitos pacientes estão comprando antibióticos, esteroides e medicamentos tópicos em pet shops. Hospitais também sofrem com a falta de insumos para exames e cirurgias

Por Da Redação - 7 Aug 2015, 12h48

Além da escassez de alimentos e produtos básicos, os venezuelanos também enfrentam dificuldades pela falta de remédios nas prateleiras das farmácias e em hospitais. Segundo cálculos da Federação Farmacêutica da Venezuela, o país sofre de 70% de escassez de remédios. Para driblar a carência, pacientes estão recorrendo a medicamentos veterinários que possuem os mesmos princípios ativos que os remédios para seres humanos.

Kevin Blanco se declara humilhado por ter de aceitar tomar remédio veterinário após um transplante de rim. A Prednisona e o Cellcept – imunossupressores que evitam a rejeição de órgãos transplantados – desapareceram das farmácias públicas e privadas. Isso colocou em uma situação crítica centenas de pacientes que não podem suspender a medicação um dia sequer, sob o risco de perder o órgão transplantado pelo qual esperaram por anos. “Quando a prednisona humana acabou, todo mundo começou a procurar a canina”, afirma o presidente da Federação Farmacêutica, Freddy Ceballos.

Leia também

Revoltada com a escassez, população de cidade venezuelana saqueia caminhões com comida

Continua após a publicidade

Venezuela limita candidaturas da oposição

Empresa faz paródia sobre o ‘Chávez-passarinho’ e irrita Maduro

Venezuela: Saques em supermercados deixam uma pessoa morta e dezenas presas

“Estas pessoas estão correndo risco de vida”, afirma por sua vez Francisco Valencia, presidente da Fundação Amigos Transplantados, que apoia esses pacientes. Blanco, de 47 anos e transplantado há 15, esteve sem os dois medicamentos por um mês até a última terça-feira, quando voltou a receber os remédios, mas durante esse período precisou consumir prednisona para animais.

Continua após a publicidade

“É humilhante saber que tua vida depende de um medicamento para animais”, afirma Blanco, 47 anos, acrescentando que seu médico alertou que o uso do remédio veterinário seria “por sua conta e risco”. A crise da saúde também se vê na falta de insumos hospitalares, como reativos para exames, o que levou à suspensão de várias cirurgias, em um país onde os marcapassos já são reutilizados – aparelhos de pessoas mortas são retirados para serem usados em outros pacientes.

O governo de Nicolás Maduro – que não divulga cifras oficiais da falta de remédios desde fevereiro de 2014 – nega a falta de Prednisona, indicando que em julho Cuba enviou um lote de 1,2 milhão de pílulas. Mas, segundo o presidente da Federação Médica Venezuelana, Douglas León Natera, muitos pacientes estão comprando não só Prednisona, mas antibióticos, esteroides e medicamentos tópicos em pet shops.

(Da redação)

Publicidade