Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Documentos americanos estão abandonados em Bengasi

Segundo jornal, papéis com detalhes delicados sobre ação americana na Líbia estão espalhados pelo chão do prédio que abrigava missão diplomática

Por Da Redação 4 out 2012, 01h12

Mais de três semanas após o ataque à embaixada dos Estados Unidos em Bengasi, na Líbia, que resultou na morte do embaixador Cristopher Stevens e de outros três funcionários da diplomacia americana, documentos importantes continuam no prédio que abrigava a missão diplomática, “oferecendo fácil acesso a detalhes delicados sobre a ação americana na Líbia”, informou o jornal The Washington Post.

Saiba mais:

Embaixador morto na Líbia apoiou levante contra Kadafi

Segundo a publicação, papéis com informações sobre os esforços de coleta de armas, os protocolos de evacuação de emergência, o itinerário completo de viagens internas do embaixador e os registros da equipe líbia que foi contratada para proteger a missão estão espalhados pelo chão da sede diplomática.

O repórter Michael Birnbaum visitou o local e informou que, “apesar de os portões do posto terem sido trancados dias depois dos ataques, saqueadores e curiosos podem vagar pelos resquícios caóticos, e muitos documentos já desapareceram”. Segundo o jornal, nenhuma força de segurança do governo está patrulhando a embaixada.

Continua após a publicidade

Um dos documentos encontrados pelo jornalista, com data do dia 9 de setembro, diz respeito a um possível ataque ao local, e fala sobre “uma reação rápida” reforçada pela ajuda de uma brigada líbia.

Leia também:

Líbia e Egito prometem proteger diplomatas dos EUA

Líbia: apoiadores de Kadafi e Al Qaeda atacaram EUA

Segurança – A questão da segurança da sede diplomática em Bengasi foi levantanda recentemente pelo líder do Comitê de Supervisão e Reforma do Governo no Congresso, o republicano Darrell Issa. Ele afirmou que Washington ignorou ‘reiterados pedidos’ para reforçar a segurança no local. Em sua opinião, os distúrbios “foram a coroação de uma longa série de ataques contra diplomatas e funcionários ocidentais na Líbia”, ocorridos nos meses anteriores.

Reinaldo Azevedo: A morte do embaixador americano na Líbia nas brumas do “Inverno Árabe”. Ou: As bobagens de Obama e a pergunta tonta de Hillary. Ou ainda: Não pra culpar o”Joirjibúxi”?

Continua após a publicidade

Publicidade