Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Documentário no Kilimanjaro mostrará impacto do aquecimento global

Responsável pela produção, o colunista de VEJA Jorge Pontes diz que se trata de 'uma forma de reforçar a luta contra o negacionismo ambiental'

Por Da Redação Atualizado em 9 jul 2024, 16h14 - Publicado em 9 jul 2024, 09h42

Com base em histórias contadas na sua mais recente obra, Nature Warriors – The History of the Fight Against Environmental Crime in Brazil, lançada em inglês pela Editora MapLab, o colunista de VEJA Jorge Pontes, delegado da Polícia Federal pioneiro no combate aos crimes ambientais no país, está partindo para o Kilimanjaro, na Tanzânia, onde pretende, com um grupo formado por cientistas e policiais federais, produzir um documentário sobre o aquecimento global e a interconectividade dos eventos naturais, das ações e das omissões humanas, em relação ao equilíbrio do nosso planeta.

“Queremos fazer um documentário com as nossas reflexões, vendo in loco o derretimento da geleira. Nós estamos na última geração que vai testemunhar as neves do Kilimanjaro, segundo estudos científicos que apontam para o fim dessa geleira em talvez vinte anos, tamanha é a velocidade de derretimento da calota que domina há milhares de anos a paisagem plana das savanas do leste da África”, explica Pontes. “É uma maneira também de mostrar àqueles que não acreditam, que acham que é fake news (o aquecimento global). É uma forma de a gente reforçar a luta contra o negacionismo ambiental”, acrescenta.

Por que o Kilimanjaro?

O Kilimanjaro foi escolhido por conta de uma passagem do livro (leia abaixo) e de seu caráter emblemático como ponto culminante do continente africano, de onde a humanidade partiu, a pé, para conquistar e povoar a Terra. Fora isso, ainda há o simbolismo das calotas de neves (não mais) eternas, que hoje é um dos grandes indicadores do processo de aquecimento, flagelo que nosso planeta vem atravessando, de forma cada vez mais perceptível.

Assim como a poeira do Deserto do Saara é levada por ventos até a Floresta Amazônica, onde desempenha um papel vital no ciclo da vida daquela cobertura vegetal, a ação — ou omissão — de policiais federais e servidores do Ibama, no enfrentamento aos crimes ambientais na Amazônia brasileira, pode impactar na sobrevida de geleiras como a do Monte Kilimanjaro, assim como das estações de esqui da Europa e dos EUA.

A interconectividade na natureza é algo muito mais forte — e ao mesmo tempo delicado — do que podemos imaginar. Essa grande tapeçaria, essa web de interconexões entre os seres vivos e os parâmetros ambientais, ocorre o tempo todo, e consiste na essência da própria existência da vida na Terra.

Continua após a publicidade

“Nós (os envolvidos na produção) somos personagens de um enfrentamento à criminalidade ambiental, principalmente da destruição da Amazônia”, diz Pontes. “A ideia é que as pessoas que vão se envolver sejam pessoas que de fato lutaram contra o crime ambiental, contra a destruição da floresta, para dar esse simbolismo à questão”, complementa o colunista.

O grupo de Pontes vai realizar a produção do documentário, que está previsto para ser lançado entre 2025 e 2026, dos dias 14 a 24 de julho, ao longo da subida de 5.845 metros até o teto da África.

Confira o trecho do livro que inspirou o documentário

Estive em Nairobi em 2006 com a comitiva da Ministra Marina Silva, onde acompanhei de perto a Conferência do Clima, no caso, a COP 12.

Saímos de São Paulo em voo da SAA, e fizemos conexão em Joanesburgo, na África do Sul, o que nos fez chegar ao Quênia vindos do sul.

Continua após a publicidade

Acordei quando o avião, sobrevoando a Tanzânia, se aproximava do espaço aéreo queniano. Olhei para baixo pela janela da aeronave e me surpreendi. A visão que tive era de sonho: estávamos passando exatamente sobre o cume do Kilimanjaro, e pude ver, por entre nuvens esparsas, a calota de gelo eterno, mas minguante, que cobre aquela montanha mítica.

O Monte Kilimanjaro, ponto culminante do continente, é um símbolo da Tanzânia e, mais ainda, da própria África. Hoje, o degelo galopante das suas “neves eternas” é um dos emblemas mais fortes da ameaça do aquecimento global, que era exatamente o tema da nossa reunião em Nairobi.

Me senti presenteado por aquela visão majestosa, que me pareceu uma bela mensagem, como se o nosso combate ao desmatamento na Amazônia pudesse ter alguma relação de causa e efeito com aquelas neves em franco derretimento.

Mas a verdade é que tinha!

Continua após a publicidade

Trecho do livro “Guerreiros da Natureza – A história do combate aos crimes ambientais na Polícia Federal”, Editora MapaLab, 2022

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.