Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

Documentário fala de primas renegadas da rainha Elizabeth II

Por Da Redação 12 nov 2011, 21h34

Londres, 12 nov (EFE).- A rainha Elizabeth II nunca visitou suas duas primas com incapacidade mental, internadas em uma instituição psiquiátrica inglesa desde a década de 1940, revela um documentário que será exibido na próxima semana no canal britânico de TV ‘Channel 4’.

Trata-se das irmãs Nerissa e Katherine Bowes-Lyon, sobrinhas da mãe da rainha, Elizabeth Bowes-Lyon (1900-2002), e filhas de John Herbert Bowes-Lyon. Nerissa, que faleceu em 1986 aos 66 anos, e Katherine, que tem 85 anos (mesma idade de Elizabeth II), foram internadas em 1941 – em plena Segunda Guerra Mundial – no hospital Royal Earlswood de Redhill, no condado de Surrey.

No documentário, as enfermeiras que cuidaram das irmãs, explicam que estas nunca receberam visitas de membros da família real. Uma das responsáveis, Bridie Tingley, revelou que nenhum representante da realeza assistiu ao funeral de Nerissa, que foi enterrada na presença de Katherine em uma cerimônia sem luxo no cemitério de Redhill.

‘Nunca vi uma visita. Não critico, mas acho que a família real não fez o que devia’, disse a enfermeira. Seu colega Dot Penfold corrobora a falta de atenção da família real britânica em relação a seus parentes. ‘Durante todo o tempo que estiveram lá, nunca vi ninguém visitá-las, nunca lhes enviavam mensagens de aniversário ou pelo Natal, nunca enquanto eu estive lá’, afirmou.

Os funcionários do sanatório público explicaram que as duas irmãs, que tinham uma idade mental de seis anos, faziam reverências quando viam a família real pela televisão e se emocionaram muito com o casamento do príncipe Charles com Diana, em 1981.

A julgar por essa reação, ‘uma visita as deixaria muito felizes’, disse a enfermeira Onelle Braithwaite. Quando o Royal Earlswood foi fechado, em 1997, Katherine foi transferida para outra residência menor, onde também não recebe visitas dos seus familiares.

Foi em 1987 que se descobriu a existência das duas primas da rainha em meio a um grande escândalo no Reino Unido, já que na árvore genealógica da realeza elas tinham sido dadas como mortas em 1940 e 1961.

No documentário do ‘Channel 4’, que se chama ‘The Queen’s Hidden Cousins’ (As Primas Ocultas da Rainha), Jan Walmsley, professora de história da incapacidade mental, criticou a família real por não se envolver mais na vida de Katherine.

‘Houve neste momento uma oportunidade para a família real, especialmente para a rainha mãe, mas não fizeram nada’, disse a historiadora ao programa, que será transmitido no Reino Unido na próxima quinta-feira. EFE

Continua após a publicidade
Publicidade