Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

DNA de fugitivos é encontrado em cabana próxima a presídio

A nova descoberta altera a área de busca da polícia. Na cabana, os policiais encontraram restos de comida e roupas dos assassinos

Por Da Redação - 22 jun 2015, 18h50

Investigadores da polícia de Nova York encontraram, em uma cabana de caça, traços de DNA que coincidem com os dos dois detentos que fugiram há duas semanas de uma penitenciária do estado, informou nesta segunda-feira a imprensa local. As evidências encontradas indicam que os dois fugitivos teriam estado nas últimas 48 horas nessa cabana, onde também foram localizadas peças de roupa íntima de um dos fugitivos, segundo fontes não identificadas ouvidas pelo jornal The New York Times.

A cabana fica em Mountain View, uma região de florestas e de difícil acesso, a menos de 50 quilômetros da penitenciária de Clinton. A descoberta altera a área de procura da polícia, que voltará a focar a investigação nos arredores da prisão, após um fim de semana no qual a busca se estendeu por mais de 480 quilômetros quadrados. Por dia, a operação custa aproximadamente 1 milhão de dólares aos cofres do condado de Clinton.

Leia também:

Cães policiais farejam possível rota de fuga de criminosos americanos

Publicidade

Texas executa ‘veterano do corredor da morte’

Estado americano do Nebraska decide abolir a pena de morte

A cabana foi vasculhada após a polícia ouvir o relato de uma testemunha, que afirma ter visto um homem fugindo do local. “É uma prova confirmada por nós”, afirmou o major Charles Guess da polícia estadual de Nova York, segundo o The Guardian. O oficial afirmou também que os fugitivos “podem ter passado um tempo” na cabana.

David Sweat e Richard Matt escaparam da penitenciária de Clinton, perto da fronteira dos Estados Unidos com o Canadá na madrugada de 6 de junho, e desde então são procurados por centenas de policiais. Sweat, de 35 anos, cumpria prisão perpétua por um assassinato cometido em 2002, e Matt, de 48, foi condenado a 25 anos por outro assassinato, em 2007.

Publicidade

(Da redação)

Publicidade