Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Disparos de artilharia matam quatro pessoas na Ucrânia

Enquanto isso, moradores da cidade sitiada de Donetsk fugiam neste sábado

Por Da Redação - 12 jul 2014, 14h52

Disparos de artilharia mataram pelo menos quatro pessoas em um ataque durante a noite desta sexta-feira em uma área residencial no leste da Ucrânia. Neste sábado, moradores fugiam da cidade sitiada de Donetsk, capital da região homônima. Insurgentes pró-Rússia se retiraram da cidade estratégica de Slaviansk e se esconderam em Donetsk, que pode ser o último ponto de resistência para os rebeldes.

Leia mais:

Ataque rebelde mata ao menos 30 soldados ucranianos

Ao menos 22 soldados ucranianos são mortos em combate, afirmam pró-russos

Publicidade

Rússia acusa piloto ucraniano por morte de jornalistas

O ataque de artilharia em Maryinka, um subúrbio a oeste de Donetsk, atingiu quatro blocos de apartamentos perto de uma base rebelde. Não ficou claro de que lado vieram os disparos que atingiram as vítimas. Disparos de morteiros podiam ser ouvidos no local neste sábado, sugerindo que os rebeldes atiram da área residencial contra as tropas do governo, que revidam com mais tiros. O embate no leste ucraniano já deixou mais de 400 mortos.

Mais cedo, o presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko, prometeu vingança pela morte militares em ataque rebelde com foguetes perto da fronteira com a Rússia. “Para cada vida perdida entre os soldados, os militantes vão pagar com dezenas e centenas das suas”, disse Poroshenko. “Nenhum terrorista vai fugir da responsabilidade”. (Continue lendo o texto)

Novas sanções – A União Europeia (UE) congelou os bens e proibiu a entrada em território comunitário de onze líderes ucranianos pró-russos, entre eles os autoproclamados ‘primeiros-ministros’ das regiões de Donetsk e Lugansk, Alexander Borodai e Marat Bashirov. Segundo publica neste sábado o jornal oficial da UE, os vinte e oito países da comunidade aprovaram na sexta-feira a ampliar a lista de sancionados por ameaçar a integridade territorial, a soberania e a independência da Ucrânia no leste do país.

Publicidade

Desta maneira, o número de pessoas sancionadas relacionadas com a crise da Ucrânia chega a 72. A UE mantém, além disso, o congelamento de ativos correspondente a duas entidades confiscadas na Crimeia e Sebastopol. Entre as onze pessoas sancionadas constam na lista negra da UE Alexander Khodakovsky, o denominado ‘ministro de Segurança’ de Donetsk, Alexander Aleksandrovich Kalyussky, o ‘vice-primeiro-ministro de fato de Assuntos Sociais’ da região pró-russa, e Alexander Khyrakov, o ‘ministro da Informação e Comunicação de Massas’.

(Com agência EFE Estadão Conteúdo)

Publicidade