Clique e assine a partir de 8,90/mês

Disparo da marinha israelense mata pescador palestino

Barco teria ultrapassado o limite autorizado pelas Forças Armadas

Por Da Redação - 24 set 2010, 09h53

“Estamos investigando as informações que asseguram que um pescador foi atingido por bala”

Um disparo da Marinha israelense atingiu nesta sexta-feira um pescador palestino que trabalhava na costa da Faixa de Gaza. A vítima é Mohammed Mansur Baker, de 20 anos. Ele levou um tiro no peito e morreu a caminho do hospital, informou um porta-voz dos serviços médicos militares, Adhan Abu Selmeya.

De acordo testemunhas no litoral de Gaza, os navios da Marinha israelense abriram fogo contra vários barcos de pescadores que navegavam perto da praia de Al Sudaneya, no norte do território palestino. Muitas das embarcações foram danificadas pelos disparos. Um porta-voz militar israelense confirmou os tiros contra um pesqueiro nesta manhã, mas ressalva que ele teria ultrapassado a área autorizada pelas Forças Armadas e avançado em direção a Israel. O limite imposto aos pescadores palestinos pelo exército israelense é de três milhas náuticas desde a costa.

“Um barco palestino saiu da área marítima designada para a pesca. Unidades da Marinha dispararam para o ar para alertá-lo, mas, como o barco se negou a retroceder e retornar à zona designada, dispararam contra ele”, justifica o militar. “Estamos investigando as informações que asseguram que um pescador foi atingido por bala.”

Outra morte – Na quarta-feira, a morte de um palestino a tiros, pelo segurança de um assentamento judaico em Jerusalém Oriental, colocou em alerta o Oriente Médio, no momento em que se ensaia a retomada das negociações de paz. Pelo menos cinco pessoas ficaram feridas em enfrentamentos entre manifestantes palestinos, que atiravam pedras, e policiais israelenses. Um vigia israelense matou o palestino Samir Serhan, de 30 anos, no bairro de Silwan, onde frequentemente acontecem conflitos entre colonos judeus e seus vizinhos. Outros dois palestinos ficaram feridos, segundo testemunhas.

(Com agências France-Presse e EFE)

Continua após a publicidade
Publicidade