Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Discussão sobre o casamento gay chega à Suprema Corte dos EUA

Nesta terça e quarta, serão realizadas audiências nas quais nove juízes escutarão argumentos contra e a favor à união homoafetiva e decidirão se ela se tornará um direito constitucional

Por Da Redação 26 mar 2013, 10h51

A Suprema Corte dos Estados Unidos realizará nesta semana audiências sobre o futuro do casamento entre homossexuais no país. Nesta terça e quarta, os nove juízes do Supremo Tribunal escutarão os argumentos contra e a favor para decidir se a união homoafetiva se tornará um direito constitucional, o que obrigaria todos os estados americanos a aceitá-la. Nos Estados Unidos, cada estado tem autonomia legislativa para aprovar leis, desde que elas respeitem a constituição do país. A decisão está prevista para junho.

Atualmente, nove estados e o distrito de Columbia, sede da capital dos Estados Unidos, aprovam o casamento homossexual, mas em todos os outros a união é proibida. Apesar disso, indivíduos e grupos proeminentes, como o presidente americano Barack Obama e a Academia Americana de Pediatria, já se mostraram favoráveis à aprovação da união e a maior parte dos americanos também é a favor, segundo pesquisa da agência Reuters, que indicou que 63% dos cidadãos apoia a união homossexual. Nesta segunda-feira, Obama reiterou seu apoio à causa, em post no Twitter. “Cada americano deveria poder se casar com a pessoa que ama”, escreveu, utilizando a hashtag Love is Love (Amor é amor, em português).

De acordo com a imprensa americana, os nomes do juiz Anthony M. Kennedy e do chefe de justiça John G. Roberts Jr terão bastante peso durante as audiências. Por um lado, Kennedy se coloca a favor dos direitos gays. Por outro, Roberts Jr é conservador e deve pesar contra a aprovação nacional do casamento gay. No entanto, por ser chefe de justiça, ele também se mostra preocupado com a influência a longo prazo de uma decisão da corte em um assunto que tem peso na opinião pública. Por isso, ele pode evitar uma decisão contra o casamento gay mesmo que não a defenda.

Leia também:

Ex-secretária de Estado Hillary Clinton apoia casamento gay

Obama pede que Supremo revogue lei contra casamento gay

Nesta terça-feira, os juízes escutarão os argumentos no caso Hollingsworth contra Perry, que impugnou a Proposta 8 da Califórnia, adotada em 2008, contra os casamentos entre pessoas do mesmo sexo. Os que apoiam essa proposta pedem que a corte leve em consideração os interesses da sociedade em procriar e de dar educação aos filhos por um homem e por uma mulher. Os que se opõem à decisão dizem que os relacionamentos de todos os casais, sejam eles hetero ou homossexuais, merecem igual respeito da lei.

Já na quarta-feira, os juízes estudarão o caso Estados Unidos contra Windsor, contra a Lei de Defesa do Casamento (DOMA, na sigla em inglês), promulgada em 1996 pelo então presidente Bill Clinton. A lei definiu o casamento como a união entre um homem e uma mulher e negou mais de mil benefícios federais a casais homossexuais. Em fevereiro, o governo de Obama pediu ao Supremo a revogação da DOMA por considerar a lei inconstitucional por violar a garantia fundamental da igualdade nas proteções.

Continua após a publicidade

O papel da corte – Além dos embates públicos de opinião, a realização das audiências destaca a discussão sobre o papel da Suprema Corte de Justiça nos Estados Unidos, questionando se ela deve não intervir nos dilemas sociais que, tradicionalmente, são de competência dos legisladores de cada estado americano.

Saiba mais:

França: Assembleia Nacional aprova casamento gay

Parlamento britânico dá 1º passo para aprovar casamento gay

A chegada da questão do casamento homossexual até a última instância da justiça americana reavivou uma das mais célebres decisões judiciais no país, há mais de 40 anos, quando foi aprovado o direito constitucional do aborto, em 1973. A decisão do caso, que ficou conhecido como Roe contra Wade, causou repercussões sociais e políticas que perduram até hoje.

Os oponentes do casamento gay dizem que o impacto social do caso da década de 1970 é um alerta à justiça contra o fato de ela estar indo muito longe muito rápido. Eles dizem que, se a justiça forçar todos os 50 estados a aceitar o casamento gay, acontecerá o mesmo que aconteceu com a aprovação do aborto, ou seja, o prolongamento os conflitos contra os direitos dos homossexuais.

Alguns defensores dos direitos gays também se mostraram preocupados com a participação da corte na decisão. O juiz Anthony M. Kennedy disse que não acha ideal que a corte esteja no meio de tantas questões sociais e de direito civil importantes. “Uma democracia não deve ser dependente, em suas mais importantes decisões, do que nove pessoas não eleitas têm a dizer, a partir de um fundo estritamente jurídico”, disse.

Outros partidários da união entre pessoas do mesmo sexo, no entanto, dizem que a comparação com o caso Roe contra Wade é imprópria, ressaltando o papel histórico do órgão em proteger as minorias contra os preconceitos. “Em 1973, a corte estava completamente alheia às reações contra o caso Roe versus Wade. Eu acho que a corte está ciente de onde está se metendo”, disse, à agência Reuters, o professor de direito constitucional da Universidade de Harvard Richard Fallon.

(Com agências Reuters e EFE)

Continua após a publicidade
Publicidade