Clique e assine com 88% de desconto

Dilma e Obama devem anunciar plano para combater aquecimento global

Após uma reunião em Washington, os presidentes dos EUA e do Brasil farão uma declaração conjunta sobre um plano de reflorestamento para reduzir as emissões de carbono

Por Da Redação - 30 jun 2015, 09h30

O encontro que os presidentes Dilma Rousseff e Barack Obama terão nesta terça-feira em Washington deverá terminar com o anúncio de um ambicioso programa bilateral de reflorestamento no Brasil, que contribuirá para a redução de emissões de carbono e sinalizará o compromisso do país com o sucesso da conferência do clima marcada para dezembro em Paris. Dilma deve anunciar que o Brasil pretende zerar o desmatamento ilegal na Amazônia em 10 anos. Para Obama, a pauta também é vantajosa.

Concluir a visita com uma declaração forte sobre o assunto é um ponto positivo para o governo americano, pois Obama pretende deixar um legado no combate ao aquecimento global – um assunto delicado na política americana, que conta com lobby contrário de indústrias bilionárias e é muito questionado pelos republicanos. Os detalhes do programa bilateral de reflorestamento ainda não são conhecidos e não se sabe se os Estados Unidos vão auxiliar com fundos ou com recursos técnicos.

Dilma indicou ontem que poderia ir além e aceitar o anúncio de metas de redução de emissões. “Este ano temos a COP 21 e nós pretendemos fazer anúncios conjuntos, o Brasil e o governo americano”, declarou, usando a sigla pela qual a conferência do clima de Paris é conhecida. Questionada se haveria a divulgação de metas específicas, respondeu: “Essa é a ideia”. Em seguida, ressaltou: “Veja bem o que eu disse: ideia”. No encontro, Dilma pretende antecipar também alguns pontos do plano de contribuição voluntária para conter o aquecimento global. A expectativa era de que essas contribuições fossem informadas apenas em outubro, quando os países vão apresentar suas reduções voluntárias.

Leia também

Publicidade

Obama leva Dilma a memorial de Martin Luther King e oferece jantar na Casa Branca

Ministro da Defesa diz que Brasil e EUA vivem ‘nova fase’ no setor

Restabelecimento de confiança marca agenda política de Dilma nos EUA

O Brasil ainda não apresentou seus compromissos de corte de emissões para a conferência e resistia a fazer isso no âmbito de uma reunião bilateral com os EUA. Os americanos pressionam para que a visita de Dilma termine com um anúncio semelhante ao realizado no ano passado por Estados Unidos e China, os maiores poluidores do mundo. Durante viagem de Obama a Pequim, os dois países assumiram o compromisso de reduzir emissões de gases que provocam o efeito estufa. Mas integrantes do governo observam que não faz sentido o Brasil apresentar um compromisso multilateral em uma visita de Dilma aos EUA.

Publicidade

Os dois presidentes terão uma reunião de trabalho na manhã de hoje, na Casa Branca. Em seguida, darão entrevista coletiva na qual devem anunciar os acordos fechados. Os americanos fizeram um gesto de boa vontade ontem, ao anunciar a abertura do mercado às importações de carne in natura do Brasil, colocando fim a bloqueio de 15 anos.

Também deve ser adotada uma série de medidas de simplificação e facilitação do comércio bilateral. Na estimativa do governo brasileiro, as mudanças têm potencial de elevar em 10% os embarques do Brasil para a maior economia do mundo. Em 2014 o comércio bilateral foi de US$ 62 bilhões (mais de 180 bilhões de reais), uma fração dos quase US$ 600 bilhões (mais de 1,8 trilhão de reais) registrados entre EUA e China. Cooperação em educação e ciência e tecnologia será tema de alguns dos acordos a serem anunciados, o que reflete a visão do governo Dilma de que os EUA são fundamentais para fomentar a inovação no Brasil.

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade