Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Dilma defende diálogo ‘entre iguais’ com Estados Unidos

Washington, 9 abr (EFE).- A presidente Dilma Rousseff defendeu nesta segunda-feira um diálogo ‘entre iguais’ com os Estados Unidos e o aproveitamento do potencial da relação bilateral para ‘reequilibrar’ o comércio entre os dois países, durante discurso num fórum com empresários realizado em Washington.

‘Cada vez mais buscamos um diálogo entre nações iguais’, destacou Dilma ao indicar que o Brasil é consciente ‘da importância dos Estados Unidos nesta conjuntura de crise para a reconstrução da prosperidade internacional’.

No entanto, a presidente lembrou que no mundo multipolar de hoje as relações entre os países devem refletir ‘a nova distribuição de poder’ e dar lugar a ‘um sistema internacional mais inclusivo e cooperativo’. O fórum foi realizado na Câmara de Comércio dos Estados Unidos.

A chefe de estado defendeu o protagonismo do grupo dos Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), que são, de acordo com a governante, as economias ‘mais dinâmicas’ hoje em dia.

Os Brics reúnem 43% da população mundial e 25% da riqueza, e geraram 56% do crescimento econômico registrado no mundo nos últimos anos.

Assim como fez após o término de sua reunião na Casa Branca com o presidente de EUA, Barack Obama, Dilma aproveitou o fórum para expressar sua preocupação pelas políticas monetárias expansivas dos países ricos.

Essas políticas, que provocam uma ‘desvalorização artificial da moeda nos países desenvolvidos’, estão ‘diminuindo a competitividade dos emergentes’, opinou a líder.

Se não forem modificadas, essas políticas monetárias ‘serão bastante nocivas para aqueles que são hoje o motor do crescimento internacional’, acrescentou Dilma.

Por outro lado, a presidente propôs aproveitar o ‘potencial’ da relação com os Estados Unidos para ‘reequilibrar’ o comércio bilateral, que apresenta um saldo ‘desfavorável’ para o Brasil.

Segundo os últimos dados do Departamento de Comércio dos EUA, entre janeiro e dezembro de 2011 o déficit brasileiro somou US$ 11,572 bilhões, frente aos US$ 11,467 bilhões de 2010.

‘É necessário ampliar a troca educacional e científica’, assim como aproveitar as oportunidades de cooperação na área dos biocombustíveis, ponderou Dilma.

No setor educativo, o governo pretende enviar 100 mil estudantes de graduação e pós-graduação para as 50 melhores universidades do mundo e pelo menos 20% deles irá para os Estados Unidos.

Nesta terça-feira, Dilma dará uma palestra na Universidade de Harvard, em Boston. EFE