Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Dilma critica políticas de austeridade para superar a crise

Por Adalberto Roque
28 mar 2012, 09h38

A presidente Dilma Rousseff criticou nesta quarta-feira, em Nova Délhi, as políticas de austeridade que a Eurozona impõe para superar a crise da dívida.

Em um discurso pronunciado na Universidade de Nova Délhi, onde recebeu um título de doutor honoris causa, a presidente recordou que a crise não será superada com “simples medidas de austeridade, consolidação fiscal e desvalorização da força trabalhista”.

No texto por escrito distribuído à imprensa, há uma frase que não foi lida pela presidente em sua apresentação, na qual ataca as “políticas expansionistas que provocam um verdadeiro ‘tsunami monetário’, que levaram a uma ‘guerra cambial’ e introduziram novas e perversas formas de protecionismo no mundo”.

A frase faz referência à política tanto dos Estados Unidos como do Banco Central Europeu de inundar o mercado de dinheiro para contra-atacar a crise e que está desvalorizando o dólar e o euro, com o que os investidores buscam refúgio em moedas como real brasileiro, o iene japonês ou o franco suíço, valorizando suas moedas e dificultando sua capacidade exportadora, em particular no caso do Brasil.

Continua após a publicidade

Dilma está na Índia para participar na IV cúpula das potências emergentes, os Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul).

Neste sentido, apelou ao “crescente peso” das economias emergentes que “reforça nossa credibilidade e acentua o potencial de nossa cooperação bilateral e a inserção internacional”.

“Temos algo a dizer para fazer frente à grave crise econômico-financeira que continua preocupando pelo impacto que tem nas perspectivas de crescimento internacional”, afirmou.

Continua após a publicidade

A presidente também recordou que o Brasil e a Índia terão um papel central a desempenhar na solução dos principais assuntos da agenda internacional da reunião que dura até esta quinta-feira.

Este ato na Universidade de Nova Délhi, viveiro de políticos e funcionários públicos indianos, faz parte da agenda bilateral que Dilma Rousseff cumpre na maior democracia do mundo, com 1,2 bilhões de pessoas.

Depois da reunião de cúpula dos Brics, Dilma Rousseff prosseguirá na sexta-feira com encontros com as autoridades máximas do Estado e uma provável visita privada, o sábado, ao Taj Mahal, em Agra, um dos principais destinos turísticos da Índia.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.