Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Dias antes da visita de Obama, ataque terrorista mata 14 no Quênia

Os terroristas do Al Shabab atacaram a cidade de Mandera, próxima à fronteira com a Somália. Atentado ocorre duas semanas antes da visita do presidente dos Estados Unidos

Pelo menos catorze pessoas morreram e outras onze ficaram feridas em um ataque organizado por membros do grupo terrorista Al Shabab perto da cidade de Mandera, no norte do Quênia, na madrugada desta terça-feira. O atentado ocorreu pouco mais de duas semanas antes da primeira visita oficial do presidente americano, Barack Obama, ao país. Um grupo de homens armados atacou os moradores enquanto dormiam.

Antes de disparar, os terroristas lançaram vários explosivos contra as casas, embora muitos moradores dormissem fora delas por causa do calor. Segundo o jornal local Daily Nation, a maioria das vítimas era composta por trabalhadores de uma pedreira da região, e os terroristas conseguiram escapar antes de a polícia chegar. Os feridos foram transferidos ao hospital de Mandera, e a Cruz Vermelha já prepara a evacuação em aviões dos pacientes em estado mais grave, para serem tratados na capital, Nairóbi.

Leia mais:

Deputado queniano alerta Obama e pede que não defenda ‘agenda gay’ no Quênia

Futura visita de Obama ao Quênia provoca críticas no país

Al Shabab ameaça realizar mais ataques no Quênia

O Quênia está em estado de alerta desde que, em março, foi anunciado que Obama visitará o país, para participar de uma reunião de cúpula de empreendedorismo global. Embora sua passagem tenha provocado grande entusiasmo, em parte devido ao fato do pai de Obama ser queniano, existem preocupações de que os terroristas do Al Shabab poderiam aproveitar a ocasião para seus ataques. Centenas de agentes de segurança foram mobilizadas para reforçar a segurança do país e câmeras de vigilância foram instaladas em muitas ruas da capital.

Nos dois últimos anos, o Al Shabab promoveu vários massacres em território queniano, os maiores deles no shopping Westgate de Nairóbi, em 2013. e em Mpeketoni, Gamba e Mandera, ambos em 2014; além do mais recente na Universidade de Garissa, em 2015. No total, os ataques deixaram mais de 350 mortos.

(Da redação)