Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Diante de impasse, Paquistão adia enforcamento de paraplégico

Abdul Basit contraiu meningite tuberculosa depois de preso e perdeu os movimentos da cintura para baixo

Por Da Redação - 22 set 2015, 17h44

A Justiça do Paquistão anunciou o adiamento da execução por enforcamento de um condenado paraplégico nesta terça-feira. Abdul Basit, preso em 2009 pelo assassinato do tio de uma mulher com quem teria um relacionamento amoroso, ficou paralisado da cintura para baixo após contrair meningite tuberculosa na prisão. Basit, de 43 anos, alega ser inocente.

Leia também:

Paquistão executa homem condenado à pena de morte aos 15 anos

Grupos de direitos humanos pressionaram as autoridades paquistanesas a anular a sentença, pois o homem condenado precisa de uma cadeira de rodas para se locomover e, portanto, não seria capaz de permanecer de pé na forca, como preveem as normas de enforcamento do país. Ativistas afirmam que enforcar o paraplégico seria “cruel e degradante”, de acordo com a rede britânica BBC.

Publicidade

O Paquistão reintroduziu a pena de morte no país em dezembro de 2014 e enforcou 239 pessoas desde então. À época, as autoridades justificaram a medida como combate a ataques terroristas, mas passaram a incluir todos os tipos de prisioneiros no corredor da morte.

(Da redação)

Publicidade