Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Diálogo não é suficiente para cessar protestos no Egito

Milhares de manifestantes permanecem na praça Tahrir - e prometem resistir

Por Da Redação 7 fev 2011, 07h46

A reunião entre governo e oposição no Egito não foi suficiente para amenizar os ânimos dos manifestantes que tomam as ruas do país. A praça Tahrir, no centro do Cairo, continua ocupada pelo 14º dia consecutivo por milhares de pessoas, que exigem que as negociações iniciadas no domingo não deixem de lado o objetivo de que Hosni Mubarak, no poder há 30 anos, deixe a presidência.

O dia já começou tenso, com o lançamento de quatro foguetes contra um quartel da polícia na cidade de Rafah. O ataque, que feriu uma pessoa, teria sido praticado por quatro homens armados, que ainda não foram identificados. Esse não é o primeiro caso do tipo contra prédios do governo na região do Sinai, na fronteira com a Faixa de Gaza. No sábado, um gasoduto que liga o país à Jordânia também foi atacado com bombas.

Os grupos de jovens que iniciaram a revolta contra Mubarak formaram uma coalizão e anunciaram que não pretendem desocupar a praça até que suas reivindicações sejam atendidas. O comunicado da Direção Unificada dos Jovens Revolucionários Revoltados foi divulgado um dia depois que o primeiro-ministro do país, Ahmed Shafiq, reafirmar que Mubarak continuará no poder “até o final de setembro”, enquanto o governo articula um processo de transição.

Obama – Também no domingo, o presidente americano, Barack Obama, destacou que o Egito passa por uma mudança política e defendeu a instauração de um “governo representativo” no país árabe, mas não pediu a saída imediata de Mubarak – um aliado de longa data de Washington. “Só ele sabe o que vai fazer. Não vai tentar a reeleição. O mandato termina este ano”, declarou. O ditador egípcio prometeu na semana passada não concorrer a um novo mandato nas eleições de setembro, mas se negou a deixar o poder de maneira imediata, alegando que isto poderia afundar o país no “caos”.

O vice-presidente egípcio, Omar Suleiman, nomeado para o cargo nos primeiros dias da crise, recebeu no domingo representantes de diversos grupos opositores, incluindo o movimento Irmandade Muçulmana, mas os contatos não melhoraram a situação. Depois do encontro, os participantes concordaram em efetuar uma “transição pacífica do poder baseada na Constituição”, anunciou o porta-voz do governo, Magdi Radi. Contudo, a Irmandade Muçulmana afirmou que as reformas propostas pelo regime eram insuficientes.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)